As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Guerra na Síria? Paz em Israel? Eleições nos EUA e no Irã? Para onde vai o Oriente Médio?

gustavochacra

29 de outubro de 2008 | 20h22

Foram várias boas notícias nas últimas semanas para o Oriente Médio. O Líbano e a Síria, pela primeira vez na história, vão trocar embaixadores. Ehud Olmert, premiê de saída em Israel, disse que haverá paz apenas quando os israelenses desocuparem todos os territórias árabes. A Síria e Israel dialogavam, ainda que indiretamente.

O Hamas e o Fatah estabeleceram um canal de negociação. Tzipi Livni, ministra das Relações Exteriores de Israel e, para muitos, a esperança para a retomada do do processo de paz com os palestinos, estava próxima de formar um governo. A violência no Iraque estava no menor nível nos últimos anos. Israel passou a ver com bons olhos a proposta de estabelecimento de relações diplomáticas feita há seis anos pelos países árabes capitaneados pela Arábia Saudita.

Facções cristãs rivais do Líbano que não se falavam desde a guerra civil ensaiavam uma reconciliação. E, no sábado, o ponto máximo, com o encontro cordial do líder do Hezbollah e da comunidade xiita libanesa, Hassan Nasrallah, com Saad Hariri, principal liderança política sunita do Líbano. Para completar, Barack Obama, favorável a mais diplomacia e menos guerra, disparava nas pesquisas americanas.

Um avanço para uma região que, no ano passado, teve quase uma guerra entre sírios e israelenses, havia a constante ameaça de bombardeio americano ao Irã, o cenário no Iraque era o pior possível, e, enquanto o Líbano estava a beira de uma guerra civil, os palestinos já tinham dado início a uma. Relações entre libaneses e sírios pareciam um sonho, sunitas e xiitas em Beirute se odiavam a cada dia mais e os cristãos pareciam querer de qualquer maneira retornar aos anos 1980.

Até que chegou o domingo, dia 26 de outubro. E o Oriente Médio voltou a ser o Oriente Médio, como em 2007 e em quase todos os anos de sua história. Estes últimos meses de 2008 pareciam uma miragem. Tzipi Livni foi enrolada pelo partido ortodoxo judaico Shas, e ficou sem condições de formar uma coalizão. Israel convocou eleições, e ficará no limbo até fevereiro, com seus inimigos sabendo da fragilidade israelense, o que sempre é um incentivo para uma provocação.

Os Estados Unidos decidem, após cinco anos no Iraque, que este era o momento de atacar sírios em território sírio e sem avisar o governo sírio. E, com vergonha, não assumem uma ação que matou crianças e, talvez – não é comprovado -, um suposto terrorista. Bem agora, que a Síria, graças à França, vinha mudando o seu comportamento em relação ao Líbano, a Israel e também ao Iraque. Pior hora não existia.

Os cristãos libaneses tampouco se acerteram. Os palestinos, pelo menos até saberem quem serão os governantes de Israel e dos EUA, completarão mais um ano sem Estado, apesar de, pela primeira vez, terem assistido a uma partida de futebol de sua seleção na Cisjordânia. Ontem, o direitista israelense Avigdor Lieberman decidiu atacar um dos poucos países árabes em paz com Israel. Disse que o presidente egípcio, Hosni Mubarak, poderia ir para o inferno.

E ninguém sabe como será 2009. Temos que esperar. Primeiro, a eleição americana, em 4 de novembro. Depois, a eleição israelense de 10 de fevereiro – acho difícil que os palestinos, nas atuais condições, realizem a sua prevista para janeiro. Depois, será a vez do Líbano, em maio – quando tentará provar que existe mais de uma democracia no Oriente Médio. Para completar, o Irã elege ou reelege seu presidente. Se bem que, especula-se em jornais de Beirute, Teerã teria uma grande surpresa. Sabendo que não anda tão popular, Mahmoud Ahmedinejad pode desistir de disputar o pleito para, no futuro, argumentar que não foi derrotado. Veremos. Até lá, talvez, tenhamos até uma nova guerra. Ou uma paz inesperada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.