As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O presidente do Egito é antissemita? Sim

gustavochacra

15 de janeiro de 2013 | 16h31

O presidente do Egito, Mohammad Morsy, é antissemita. Não por criticar Israel. Afinal, condenar ações do governo israelense não é anti-semitismo. Jornais e políticos de Israel criticam a administração de Benjamin Netanyahu todos os dias. Morsy, porém, é anti-semita porque fez declarações antissemitas. Não existe discussão. Leiam os trechos dos discursos dele abaixo, feitas em 2010. Ele não cita abertamente os judeus, mas claramente se refere a eles por usar tradicionais expressões antissemitas.

Obs. Noto que nem Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, chegou perto destas declarações. 

Morsy – “Estes sanguinários que atacam os palestinos, estes senhores de guerra, descendentes de chipanzés e porcos.”

 Morsy – “Eles têm uma história de alimentar a guerra ao longo de sua história. São hostis por natureza”

 Morsy – “Quem é o nosso inimigo? Os sionistas. Quem ocupa nossas terras? Os sionistas? Quem nos odeia? Os sionistas. Quem destrói nossas terras? Os sionistas”

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.