As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O risco de Morsi, do Egito, virar o “Chávez” dos árabes

gustavochacra

23 de novembro de 2012 | 13h41

Mohamed Morsi, presidente do Egito, precisa tomar cuidado para não se tornar um Hugo Chávez ou em transformar a sua Irmandade Muçulmana em um peronismo religioso. Sua atitude de concentrar mais poderes em suas mãos é um revés na transição democrática no Egito e serve de alerta para os que o idolatram apenas pela bem sucedida mediação do cessar-fogo entre Israel e o Hamas.

O Egito pode não ser mais uma ditadura, como nos tempos de Hosni Mubarak. Mas tampouco é uma democracia consolidada. Está em transição, como o Brasil nos anos 1980. Aliás, coincidentemente, com uma crise econômica acentuada. Eleições apenas não significam que o país seja democrático. Morsi não pode se espelhar apenas nas urnas, como Chávez, para justificar ações como as de ontem.

Vamos torcer para que os protestos de opositores na Tahrir e manifestações como a do Nobel da Paz, Mohammad El Baradei, criticando a atitude do presidente, surtam efeito. Morsi é uma peça importante no xadrez político do Oriente Médio e teve muito mérito ao conseguir a trégua em Gaza e não pode estragar suas conquistas ao apelar para o autoritarismo. O Oriente Médio não precisa de um Chávez da Irmandade Muçulmana neste momento

Veja galeria de imagens dos protestos no Cairo aqui

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: