As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Obama podia ter evitado ato terrorista na Líbia?

gustavochacra

10 de outubro de 2012 | 17h05

O episódio envolvendo a morte do embaixador americano na Líbia está extremamente mal explicado pela administração de Barack Obama. Afinal, o presidente, a secretária de Estado, Hillary Clinton, a embaixadora na ONU, Susan Rice, e outras autoridades americanas sabiam desde o início ou não de que se tratava de um atentado terrorista?

Apenas para refrescar a memória dos leitores, o governo Obama inicialmente afirmou que o ataque contra o consulado em Benghasi teria sido resultado dos protestos contra o vídeo islamofóbico. Eu acreditei no que dizia o governo americano e até escrevi aqui.

Semanas mais tarde, descobrimos que foi um atentado terrorista. Pior, Obama e sua administração possuíam informações de inteligência indicando o risco de atentado. Para completar, era 11 de Setembro e na Líbia. O que precisava mais para reforçar a segurança dos cidadãos americanos?

Obviamente, os republicanos, com razão, vão concentrar os ataques no presidente por este fiasco, quase similar ao desempenho dele no debate em que foi massacrado por Mitt Romney.

 

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

no twitter @gugachacra

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: