As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Obama transforma “assassinato” em “ação letal” para justificar ataques de Drones

gustavochacra

23 de maio de 2013 | 18h19

Barack Obama tentou defender seus ataques com Drones hoje em discurso em Washington. Mas, no fim, seus argumentos, como bem falou em entrevista para a CNN Jeremy Scahill, autor do livro Dirty Wars, sobre as guerras do atual presidente americano, não tiveram muitas diferenças em relação ao que fazia George W. Bush quando estava no poder.

Mudaram apenas as palavras. O Nobel da Paz e professor de direito sabe se expressar melhor e tem um ótimo redator para seus discursos lidos com um talento quase inigualável em seu teleprompter. Por exemplo, o  que para Bush era guerra, para Obama recebe o nome de “intervenção”. O que para Bush era assassinato, para Obama é “ação letal”.

Nos seus ataques com Drones, estes robôs voadores que bombardeiam o Yemen, a Somália e o Paquistão, foram mortos muitos civis. Há discussões sobre os números. Mas até Obama admite existirem vítimas sem ligação com o terrorismo.

Quatro cidadãos americanos foram mortos entre os milhares de seres humanos alvejados. Destes, pelo menos dois não eram terroristas. Um deles era o filho de Anwar al Awalaki, acusado de terrorismo. Foi assassinado por um Drone. Obama não soube explicar o motivo. Ser filho de criminoso não é crime.

O presidente argumenta que os ataques com Drones aumentaram a segurança dos americanos. Será? Quais os dados dele? Se não houvessem ocorrido estes bombardeios, teria havido mais terrorismo? Bush não dizia o mesmo da Guerra do Iraque? Enfim, entre Obama e Bush,  mudaram as palavras, mas não a forma de conduzir a guerra ao terror, a não ser pelo fim da tortura, embora alguns já digam estas foram apenas terceirizadas…

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no  gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: