As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os dias de Assad NÃO estavam contados dois anos atrás

gustavochacra

17 de maio de 2013 | 09h56

Leia também –

 O Regime infanticia versus a Oposição Canibal (e vice-versa)

Um Estado para alauítas e cristãos na Síria Mediterrânea?

O premiê da Turquia, Recep Tayyp Erdogan, errou dois anos atrás quando apostou que os dias de Bashar al Assad no poder estavam contados. Agora, ele paga o preço por este erro de avaliação.

Até a eclosão dos levantes na Síria no início de 2011, Erdogan era um dos maiores aliados de Assad na comunidade internacional. Em Damasco, cartazes com a foto do premiê turco estavam espalhados por toda a cidade. Os investimentos da Turquia na economia da Síria eram gigantescos e a elite de Istambul e Ancara frequentava Aleppo e Damasco.

Mas, em meio à febre inicial da Primavera Árabe, Erdogan abandonou o seu aliado e apostou todas as fichas nos opositores. Imaginou que estes conseguiriam derrubar o regime e pretendia manter a influência sobre a Síria depois da partida de Bashar. Fazia ameaças ao líder sírio e deu como certa muitas vezes a sua queda.

O problema é que Assad não caiu. Sem dúvida, está mais enfraquecido do que três anos atrás. No entanto, conforme escrevi ontem, ainda domina a maior parte do território sírio, incluindo Damasco, Hama e toda a costa Mediterrânea. Homs também permanece com as suas forças, apesar dos confrontos. O mesmo se aplica a Daara, mais perto da fronteira com a Jordânia. Aleppo se transformou em uma cidade dividida. A estrada que liga esta gigantesca metrópole à capital também voltou para as mãos do governo.

E, mais grave, o conflito sírio começa a afetar a Turquia. A população turca está insatisfeita com Erdogan por ter adotado um dos lados na guerra. As dezenas de milhares de refugiados começam a gerar problemas na fronteira. Para complicar, o número deles tende apenas a crescer. Sem uma perspectiva de fim para o conflito, eles podem permanecer por anos no território turco. O país foi até alvo de atentado terrorista.

Em vez de dias, Erdogan sabe que Assad pode durar anos no poder. E, mesmo que venha a cair no futuro (algo improvável hoje), sua queda será apenas uma nova etapa na guerra civil sem data para terminar.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no  gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.