As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que a Guerra da Síria deixou de ser Copa do Mundo e virou Campeonato Paulista?

gustavochacra

22 Maio 2014 | 13h49

Os Estados Unidos, a França e outros aliados levaram adiante o voto de uma resolução para encaminhar os crimes de guerra cometidos pelo regime de Assad e grupos rebeldes na Síria para o Tribunal Penal Internacional com a meta de isolar a Rússia, não para tentar atingir qualquer objetivo na Guerra da Síria. Como antecipado, Moscou e Pequim usaram o poder de veto.

O conflito, como não é segredo para ninguém, está sendo vencido pelo regime de Bashar al Assad, não existe nenhuma possibilidade de intervenção externa e a resolução seria ignorada assim como a que condenou Omar Bashir, líder do Sudão, por crimes contra a humanidade – ele permanece no poder sem maiores problemas, assim como Assad permaneceria se fosse julgado e condenado.

Os  EUA e a França pretendiam isolar a Rússia em um momento de crise envolvendo o Ocidente e Moscou na Ucrânia. Podem até ter conseguido, embora, na prática, os americanos comecem a achar também que a melhor opção para a Síria neste momento seja a vitória de Assad diante do crescimento de grupos opositores ligados à Al Qaeda, como a Frente Nusrah, ou ainda piores, como o ISIS.

Os franceses são um mistério. Eram aliados de Kadafi, mas o derrubaram e hoje jogam a sujeira para debaixo do tapete em uma Líbia caótica. E também tinham se reaproximado de Assad em 2010, mas depois o transformaram no inimigo a ser combatido, mesmo que seja com grupos extremistas. E deixam de lado os cristãos do Levante, a quem supostamente dizem defender, uma vez que os cristãos sírios apoiam Assad ou o consideram a melhor opção diante do extremismo dos opositores.

No fim, Assad vencerá as eleições presidenciais, já consolida o domínio das principais cidades, faltando apenas Aleppo, ainda dividida. Áreas no interior do país ficarão terra de ninguém. A Síria será uma espécie de Colômbia dos anos 1990, incluindo os atentados nos centros populacionais. Virou uma espécie de Campeonato Paulista, com as notícias dos acontecimentos sendo seguidas apenas por chatos fanáticos como eu, e ignorada pela maior parte da população. O momento Copa do Mundo durou até o ano passado, especialmente depois do uso de armas químicas – os EUA e seus aliados acusam Assad, que nega. A Rússia acusa a oposição e a ONU não tem mandato para emitir uma conclusão.

Para concluir, nunca é demais lembrar, os EUA não são signatários do TPI, a resolução deixaria os americanos imunes a processos mesmo em caso de crimes de guerra, como ocorreu no Iraque, em uma intervenção na Síria, se esta viesse a ocorrer, e colocava 2011 como ponto inicial para os crimes serem julgados, evitando incluir Israel, que anexou ilegalmente as colinas do Golã, segundo a ONU.

Apenas comentários do post do dia ou do post prévio serão publicados

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios