As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que ninguém fala dos cristãos falangistas libaneses inspirados por Hitler?

gustavochacra

17 de setembro de 2014 | 08h00

É comum afirmarem que o Mufti de Jerusalém, palestino, foi aliado de Hitler, como hoje escreveu um articulista na Folha. Mas raramente lembram que Pierre Gemayel, um dos líderes cristãos libaneses na primeira metade do século 20, visitou a Alemanha Nazista nas Olimpíadas de 1936 e, de tão impressionado com Hitler, voltou ao Líbano e criou um partido, o Kataeb (Falange, em árabe), de ideologia fascista e antissemita. Gemayel nunca escondeu sua admiração por Hitler e educou seus filhos com esta ideologia.

Nos anos 1980, Israel, ao invadir o Líbano, se aliou justamente a estes falangistas inspirados por Hitler, comandados por Bashir Gemayel e acusados pela mortes de uma série de outros líderes cristãos das famílias Frngieh e Chamoun, com ideologias bem mais moderados. Em parte, mesmo sendo cristãos, os falangistas foram responsáveis pelo enfraquecimento do cristianismo no Líbano.

A aliança entre Israel e os falangistas libaneses, que idolatravam Hitler e possuíam uma saudação nazista entre seus membros, culminou no massacre de Sabra e Shatila, o maior em um mesmo dia na história recente do Mundo Árabe – supera Bashar al Assad, o ISIS e mesmo o regime do Marechal Sissi, em segundo lugar. Calcula-se que até 3 mil palestinos morreram muitas vezes cortados em pedaços pelos milicianos falangistas cristãos há exatos 32 anos nestes campos em Beirute cercados e controlados por Israel. Os EUA e mesmo e até a Justiça de Israel condenaram Ariel Sharon pelo envolvimento indireto no massacre. A ação ocorreu depois da morte de Bashir em atentado atribuído aos palestinos – nunca ficou provado quem seriam os responsáveis.

Anos depois, no norte do Líbano, em um carro com falangistas libaneses, eu e um amigo meu americano judeu perguntamos a eles se preferiam sunitas ou xiitas – “São todos péssimos”, responderam. E os palestinos, perguntamos – “São como vírus”. Dos israelenses vocês gostam? “Judeus são franguinhos fracos. Precisam dez deles super bem armados para dar um soldado cristão libanês”. Nem dos cristãos armênios vocês gostam? “Armênio diz que é libanês quando estamos paz, mas quando começa a guerra vem dizer que são armênios”

Não custa lembrar que 1) tenho origem cristã libanesa e 2) os falangistas eram populares entre os cristãos, mas não representavam de forma alguma o pensamento do cristianismo libanês e 3) hoje a Falange ainda existe, mas perdeu bastante força

Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugacha

Mais conteúdo sobre:

Guga Chacra