As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que o Haiti está um caos político e pode ficar sem presidente?

gustavochacra

25 Janeiro 2016 | 14h15

O Haiti entrou em um caos político que pode deixar o país sem presidente. E não há solução clara para este problema nesta que é a nação mais pobre do hemisfério ocidental, destruída e não reconstruída depois do terremoto responsável pela morte de centenas de milhares de pessoas em 2010 e atingida por uma epidemia de cólera.

Basicamente, o cenário é o seguinte

. em outubro, 54 candidatos disputaram o primeiro turno das eleições presidenciais

. Grupos de observadores e candidatos opositores apontaram gigantescas fraudes no processo (eu acompanhei o primeiro turno das eleições em Porto Príncipe em 2010 e é surreal a quantidade de irregularidades)

. Nenhum candidato conseguiu maioria

. Para o segundo turno, se classificaram dois candidatos 1) Jovenel Moise, uma figura desconhecida no país e escolhido como candidato pelo atual presidente Michel Martelly; 2) Jude Celestin, da oposição

. Diante das fraudes, Celestin decidiu boicotar o segundo turno

. O segundo turno seria realizado com apenas um candidato, mas o caos se instalou em Porto Príncipe e as eleições foram adiadas por tempo indefinido

. Manifestantes saíram às ruas pedindo a renúncia de Martelly. O mandato dele se encerra em fevereiro, mas, sem eleições, ele indicou que quer permanecer no poder (algo complicado em um país com histórico de ditaduras como o Haiti)

. Manifestantes pró-Martelly também saíram às ruas e entraram em choque com opositores

Por que é importante para o Brasil?

. Há mais de 2.000 militares brasileiros na Minustah (Forças de Paz da ONU)

. Há milhares de refugiados haitianos no Brasil

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram