As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que o mundo convive com uma Coreia do Norte nuclear, mas não com o Irã?

gustavochacra

29 de fevereiro de 2012 | 19h28

no twitter @gugachacra

A Coréia do Norte permitirá inspeções estrangeiras em suas instalações nucleares. Apesar de ainda ser cedo para saber se dará certo, o anúncio indica que mesmo regimes supostamente loucos com armas atômicas podem ser contidos pela Teoria da Mutua Destruição Assegurada.

Afinal, no fundo, é uma bobagem dizer que um governo tem objetivos suicidas. Isso não existe. Estados agem racionalmente em defesa de seus interesses.  Por exemplo, eu acho que o Irã esteja em busca de uma arma nuclear. Serviços de inteligência europeus e israelenses também (o americano ainda não crava esta previsão).

Não me baseio em dados da Agência Internacional de Energia Atômica. Apenas na lógica. Os iranianos sabem que nenhum país com armas nucleares foi alvo de mudança de regime ou mesmo de ataque militar – a não ser pelas britânica Malvinas-Falklands em 1982, mas é uma mega exceção.

Paquistão e Coréia do Norte estão firmes. Já o Kadafi na Líbia, o Saddam no Iraque e o Taleban no Afeganistão caíram. O Irã tem fronteira com os dois últimos. Obviamente, sabe que pode ser um alvo. Como impedir? Tendo uma bomba atômica. Desta forma, ficaria com o mesmo poder de dissuação de paquistaneses e coreanos.

E depois, destruirá Israel? Não destruirá porque será contido, assim como a Coréia do Norte, pela Teoria da Mutua Destruição Assegurada. Se o Irã atacar Israel, Teerã e todas as dez maiores cidades iranianas serão pulverizadas em uma hora pelos EUA. O objetivo iraniano é dissuação.

Agora, se eu fosse premiê de Israel ou rei saudita, também agindo de forma racional, faria de tudo para impedir o Irã de ter bomba atômica porque a balança de poder certamente se alterará a favor de Teerã.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.