As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que Obama não fechou Guantánamo?

gustavochacra

01 de maio de 2013 | 09h07

Guantánamo é a maior vergonha de Barack Obama. O presidente fez campanha em 2008 prometendo que fecharia esta prisão americana em Cuba. Mas, já em seu segundo o mandato, o ocupante da Casa Branca enfrenta uma greve de fome de mais de cem prisioneiros que jamais receberam o direito de viver livremente ou de serem transferidos para prisões normais.

Eles não são condenados a nada. A maior parte deles já foi considerada inocente pela própria Justiça militar. Dos 166 detidos em Guantánamo, apenas seis foram condenados. Algumas dezenas são suspeitas, mas não há como promotores apresentarem casos contra eles. Os demais poderiam estar livres. E estariam, se Obama tivesse cumprido a sua promessa.

Mas Obama, lamentavelmente, não cumpriu. A pressão internacional e doméstica para fechar Guantánamo, existente contra George W. Bush, se reduziu depois da eleição do atual presidente. Muitos se esqueceram que existia esta vergonha prisão americana, na qual a Constituição dos EUA parece ter sido jogada no lixo, com os detidos sendo submetidos a tortura.

Em entrevista coletiva que marca o seu centésimo dia de mandato, Obama afirmou nesta quinta mais uma vez “que fechará Guantánamo” e voltou a culpar o Congresso pelo fracasso. Chega a ser patético. Por que não fechou antes? Por que cedeu a senadores e deputados em vez de cumprir o que prometeu na campanha e respeitar os direitos humanos? Por que acabou com o escritório responsável por elaborar um plano para fechar a pressão?

Como bem lembra Joe Nocera, colunista do New York Times, 56 prisioneiros de Guantánamo de origem iemenita estava prontos para ser libertados anos atrás. “Mas o Congresso, liderado pelos senadores John McCain e Lindsay Graham, aprovou leis que tornou impossível a libertação deles. Vergonhosamente, Obama assinou estas leis”, escreveu.

O presidente parece ter imaginado que o tema Guantánamo ficaria esquecido eternamente e, assim, poderia se concentrar em suas prioridades domésticas e mesmo externas, como os seus ataques seletivos com Drones, como são chamados os aviões não tripulados utilizados para bombardear o Paquistão e o Yemen.

A greve de fome, porém, trouxe de volta à tona o problema destes homens que vivem em um limbo, segundo as palavras do próprio presidente. É urgente que eles tenham direito à liberdade ou, pelo menos, um julgamento justo nos EUA.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no  gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: