As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que os egípcios são os melhores do mundo no squash?

gustavochacra

16 Janeiro 2017 | 13h50

Há um tradicional torneio de squash que ocorre todos os anos na Grand Central Station aqui em Nova York. O evento, como sempre, atrai cobertura da imprensa. O New York Times de hoje, por exemplo, publicou texto sobre o egípcio Mohamed El Shorbagy, conhecido como a “Fera de Alexandria”, e a relação dele com a mãe, que assiste a todos os jogos dele e dá broncas e orientações.

No texto, o repórter se pergunto o motivo de o Egito ser tão dominante no squash – mais dominante, inclusive, do que a China no tênis de mesa. Sete dos dez primeiros no ranking mundial de squash masculino são egípcios. E quatro das dez são egípcias (incluindo as três primeiras, sendo que a líder a segunda colocada têm 21 e 19 anos respectivamente).

Em 2009, aqui no meu blog no Estadão, eu havia me feito esta mesma pergunta. Afinal, a relação squash-Egito não é algo óbvio, como seria esqui e Noruega, surfe e Austrália e futebol e Argentina/Brasil. A resposta segue abaixo – e note que, em 2009, eu já previa que o ainda adolescente Mohamed El Shorbagy seria o maior do mundo, embora eu não saiba jogar squash

“Os ingleses influenciaram ao longo do século 19 e 20 cidades grandes ao redor do mundo, como Mumbai, Cairo, Buenos Aires e até mesmo São Paulo. A marca pode ser encontrada nos clubes esportivos destas metrópoles. Assim como na capital paulista temos o Pinheiros, o Paulistano, o Monte Líbano e a Hebraica, na capital egípcia há o Sporting, o Gezira, o Zemalak. Todos freqüentados pela classe média e a elite. Com piscinas, quadras, pistas e campos, são usados para a prática de esportes como a natação, futebol, handebol, tênis e, acima de tudo, o squash. Esta modalidade é uma febre no Egito. Até mesmo uma quadra foi construída para um torneio internacional ao redor das pirâmides.

E o Egito possui os melhores jogadores do mundo. O número 1 do ranking mundial é o egípcio Karim Dawish, que superou a lenda Amr Shabana, também egípcio e atual segundo colocado, que é o Roger Federer do squash. Quer mais? O quarto é Ramy Ashour e o nono, Wael el Hindi. Sem falar no adolescente Mohamed El Shorbagy, conhecido como o fenômeno de Alexandria, que já está no 22o lugar e muitos dizem que superará Shabana como o melhor jogador de squash de todos os tempos. Fora do ranking, não podemos esquecer do também jogador octogenário Hosni Mubarak, que ainda acumula o cargo de presidente do Egito.”

Portanto a dominância do Egito no squash está no fato de haver muitos clubes esportivos, estes terem muitas quadras de squash, o país ter desenvolvido uma tradição na modalidade (como o Brasil no vôlei) e jovens terem migrado para este esporte em detrimento de outros, como o tênis, por exemplo.

 

Obs. Obviamente, todos sabemos que Mubarak não é mais o president do Egito

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários
Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram