As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que os EUA, Rússia e Irã têm de se unir contra o ISIS?

gustavochacra

28 Setembro 2015 | 15h12

Todos os anos, acompanho os discursos da abertura dos debates gerais da Assembleia Geral das Nações Unidas. São dezenas de líderes internacionais que se revezam para supostamente discursar para o mundo. Mas o mundo presta atenção em poucos. Hoje, os presidentes dos Estados Unidos, Irã e Rússia tiveram o foco dos atenções.

Obama, Putin e Rouhani podem não concordar em uma série de temas envolvendo a segurança internacional. Mas os três deixaram claro considerar o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh, a maior ameaça para a estabilidade do Oriente Médio. E os três já integram coalizões internacionais que lutam contra esta organização ultra-extremista.

A diferença, como já escrevi aqui uma série de vezes, está em apoiar ou não Bashar al Assad como arma para derrotar o ISIS. Os russos e os iranianos avaliam não haver outra alternativa ao líder sírio neste momento. Caso Assad seja deposto, o ISIS, a Frente Nusrah (Al Qaeda na Síria) ou o Jaysh al Islam (Exército do Islã) sairiam fortalecidos. A oposição armada moderada praticamente não existe mais. São todos radicais religiosos.

Os EUA também consideram as alternativas a Assad péssimas. Ao mesmo tempo, a administração Obama não tem como, domesticamente, apoiar o líder sírio depois de tê-lo acusado de crimes contra a humanidade – que, segundo a ONU, ele realmente cometeu.

A solução parece ser os EUA não imporem obstáculos ao apoio russo a Assad. Ao mesmo tempo, devem intensificar os bombardeios contra o ISIS em Raqaa (Síria) e dar suporte para o Exército do Iraque e os guerreiros Pesh Merga no território iraquiana. Quando e se houver mais estabilidade no médio e longo prazo, os americanos podem tentar influenciar uma transição na Síria que não envolva o colapso total do regime.

Na Segundo Guerra, Hitler dificilmente seria derrotado se os EUA não se aliassem aos soviéticos. Com o ISIS, o cenário é similar. Esta organização dificilmente perderá caso não haja uma parceria americana com a Rússia e o Irã.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus