As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que Temer foi globalista e multicultural como Obama na ONU?

gustavochacra

20 de setembro de 2016 | 11h19

O presidente do Brasil, Michel Temer, filho de imigrantes libaneses e cidadão do Líbano, condenou duramente o crescimento da xenofobia, do isolacionismo e do protecionismo no mundo ao falar da importância da imigração. Defendeu uma solução de dois Estados para o conflito entre Israel-Palestina, apoiou o acordo nuclear das grandes potências com o Irã, pediu o fim do embargo a Cuba, elogiou a aproximação do governo de Barack Obama com os cubanos e também a negociação de paz da Colômbia com as FARC. Para completar, ressaltou o drama dos refugiados e o aumento do terrorismo.

As posições de Temer são praticamente idênticas às de Obama e da candidata Hillary Clinton. E são completamente opostas ao que defende o candidato republicano Donald Trump e membros da extrema direita nos EUA, na Europa e mesmo no Brasil. Isso pode chocar alguns na esquerda no Brasil que classificam o presidente como de extrema direita. Ao mesmo tempo, chocará alguns da extrema direita no Brasil que classificam Obama e Hillary como esquerdistas.

Temer foi multicultural e globalista em discurso na ONU, assim como Obama, a premiê alemã Angela Merkel e o prefeito de Londres Sadiq Khan. Não teve nada a ver com Marine Le Pen, Trump ou os defensores do BREXIT.

Como sempre digo, não há correlação de política dos EUA com a do Brasil. Não existe dizer que o PT seria o Partido Democrata e o PSDB, republicano. Aliás, o tucano FHC era próximo do democrata Bill Clinton. E o petista Lula tinha boa relação com o republicano George W. Bush. São contextos sociais, políticos e econômicos completamente distintos.

Para terminar, sendo muito honesto, o impacto dos discursos dos chefes de Estado na ONU é mínimo em termos internacionais. Isso vale para o de Temer, assim como para Dilma – Lula tinha mais destaque. As únicas exceções são os líderes dos EUA, Irã, Turquia, Rússia, Israel e Palestina. Mesmo China, França e Reino Unido não recebem tanto destaque.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram