As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Protestos no Egito – Blog acompanha em tempo real

gustavochacra

28 de janeiro de 2011 | 08h33

blog acompanha em tempo real os protestos contra o regime de Hosni Mubarak. Publicarei notícias e análises ao longo do dia. No Twitter @gugachacra

22h30 – Exército e Polícia – A Polícia foi mobilizada mais uma vez para as ruas do Cairo. Nos últimos dois dias, a segurança estava apenas nas mãos do Exército. Segundo analistas, os policiais seriam, na visão da população, os representantes de Mubarak. Os soldados, mais populares, da era pós-Mubarak. No sábado, quando houve aumento da violência urbana, os policiais fizeram de tudo para provar que, sem eles, o Cairo viraria o caos. Eles teriam inclusive envolvimento em saques, vandalismo e na libertação de presos. O temor desta segunda é de que comecem choques entre a polícia e o Exército

19h05 – Hillary Clinton – “Somos muito claros ao dizer pública e privadamente que as autoridades egípcias devem iniciar um processo de diálogo nacional que leve para uma transição em direção à democracia. O próprio presidente Mubarak disse isso outro dia, ao afirmar que daria passos para reformas democráticas e econômicas. Esperamos que isso aconteça”, disse a secretária de Estado, Hillary Clinton, em entrevista para a rede de TV CBS. Para a ABC, ela descartou a suspensão da ajuda militar de US$ 1,3 bilhões para o Egito neste momento e repetiu o pedido de democratização.

19h – Entrevista – Leiam entrevista com escritor egípcio no blog da Adriana Carranca

18h45 – Comentário Oposição no Egito – Falta à oposição egípcia um líder forte. O Nobel da Paz Mohammad El Baradei é respeitado, mas passou muito tempo fora do país, sendo desconhecido em partes do Egito. Ayman Nour, tradicional líder opositor, está com problemas de saúde e quase não aparece. Mesmo a Irmandade não tem uma grande figura. Agora há pouco, o Ayman Nour disse que ele e o El Baradei estão organizando uma comissão opositora. Vamos acompanhar

17h – Comentário Egito e o Irã – O Egito não pode ser comparado ao Irã pré-Revolução Islâmica. Há duas diferenças fundamentais. Primeiro, o Egito é majoritariamente sunita e o Irã, xiita. Entre os sunitas, não há um clero ou líder religioso como o aiatolá. Entre os xiitas, existe esta figura e a hierarquia. Em segundo lugar, não há na Irmandade Muçulmana uma liderança carismática como o aiatolá Khomeini no Irã

16h30 – Comentário “Estratégia Turca para o Egito”– Os Estados Unidos trabalham com a “estratégia turca” para o Egito. Os americanos querem uma redemocratização similar à da Turquia nos anos 1980 e 90, com a abertura sem a inclusão de partidos islâmicos. Além disso, o Exército se manteria com um pólo de força. Isso evitaria a chegada da Irmandade Muçulmana ao poder. Mas existem diferenças. Os turcos possuíam mais tradição democrática e não havia uma organização islâmica tão poderosa como a Irmandade. O AKP, atualmente no poder em Ancara, não pode ser comparado ao grupo egípcio. São moderados, mais próximos dos democrata-cristãos europeus.

16h – Comentário Israel e os acontecimentos no Egito – Israel deve ficar mais reticente em assinar acordos de paz com regimes autoritários caso os acontecimentos no Egito levem ao rompimento de relações entre os dois países. Claro, este cenário ainda está distante. Mesmo sem Mubarak, a cúpula militar egípcia é próxima dos israelenses. Com Omar Suleiman, o novo vice, as relações são ótimas. Mesmo um governo democrático poderia manter a paz. Porém poderia haver mais divergências, similares às da Turquia com Israel atualmente. Os dois países são aliados, mas os turcos criticam os israelenses abertamente. A segurança de Gaza está em risco

15h20 Comentário Irmandade – A Irmandade Muçulmana não é um grupo coeso. Há divergências internas sobre qual rumo a organização deveria tomar. Alguns defendem a atuação política. Outros são contra. O poder também é dividido entre a nova e a velha guarda. O uso da violência foi colocado de lado há anos. Mas, apesar destas diferentes visões, é a segunda instituição mais organizada do Egito depois do Exército. Em caso de vácuo de poder, tendem a ocupar espaço

15h15 – O Nobel da Paz e líder da oposição, Mohammad El Baradei participa de manifestações na praça Midan al Tahrir, a principal do Cairo. Apesar do toque de recolher, há dezenas de milhares de pessoas nas ruas

14h15 – Hillary Clinton –  “Os que estão no poder, começando pelo presidente Mubarak, seu novo vice-presidente, seu novo premiê, devem dar início a um processo de aproximação, criando um diálogo com ativistas pacíficos e representantes da sociedade civil  para o estabelecimento de um plano que atenda às reivindicações do povo egípcio”, disse a secretária de Estado. Além de frisar que haverá eleições em setembro, ela disse que o destino de Mubarak “está nas mãos dos egípcios”.

13h55 – Análise – Os países do Oriente Médio, muitas vezes colocados como se fossem um bloco homogêneo, apresentam diferenças nas suas questões domésticas, seus conflitos externos, na configuração de suas economias e na importância para os Estados Unidos e outras nações ocidentais. “Não dá para comparar o Iêmen com o Egito”, diz Reva Bhalla, diretora de Oriente Médio da agência de risco político Stratfor.

Apesar disso, segundo Marwan Mausher, do Carnegie Endowment for International Peace, os Estados Unidos sempre adotaram uma definição de “moderados e radicais baseando-se na postura diante do processo de paz entre israelenses e palestinos”.

Desta forma, a Síria, sendo um regime internamente quase idêntico ao do Egito, é alvo de sanções unilaterais dos americanos por dar apoio a grupos como o Hezbollah e o Hamas, além de ser acusada de sabotar as negociações de Israel com a Autoridade Palestina. Já os egípcios assinaram um acordo de paz com os israelenses há mais de três décadas e contribuem na solução do conflito. Em troca, recebem uma ajuda militar de US$ 1,3 bilhão por ano.

De acordo com Mausher, o mesmo se aplica para os países com petróleo. Tanto o Irã, que é persa e não árabe, como a Arábia Saudita desrespeitam os direitos das mulheres. Mas como os sauditas lançam iniciativas em defesa da solução de dois Estados, enquanto o presidente Mahmoud Ahmadinejad já deu declarações contra a existência de Israel, os iranianos são vistos como párias e os sauditas, como aliados.

“O histórico saudita nos direitos das mulheres e na diversidade política não indica uma postura moderada. Tampouco o Egito com o banimento de partidos. O sistema de governo jordaniano dificilmente se encaixaria em um perfil de moderação”, afirma Mausher. Mas todos são apoiados pelos americanos.

Segundo o especialista, os EUA se acostumaram ao longo do tempo com ditaduras seculares ou monarquias islâmicas absolutistas descritas como “moderadas”. Por este motivo, acabaram não pressionando pela democratização destes países. Na avaliação de Bhalla, da Stratfor, os americanos, assim como a população destes Estados árabes, possuíam uma “barreira de medo”, temendo o que viria depois do fim de um regime ditatorial. Este temor aparentemente se reduziu com os eventos na Tunísia e no Egito. Não haverá, necessariamente, um regime islâmico e há chance de democratização, dizem os analistas.

13h35 – El Baradei diz à CNN que a Irmandade Muçulmana concorda que o Estado não seja religioso. O Nobel da Paz também pediu que Mubarak deixe o poder hoje. Oposição egípcia diz que os EUA estão “do lado errado da história” ao não se posicionarem contra o regime

12h50 – Caças fazem sobrevoo baixo na praça Midan Al Tahrir, no centro do Cairo, onde se concentram as manifestações. Exército parece querer endurecer para reduzir os protestos. Em seguida, provavelmente forçariam a saída de Mubarak.

11h20 – Análise – “Os protestos levaram a administração de Obama de volta para a agenda da liberdade de Bush”, em defesa da democracia no mundo árabe, de acordo com Robert Danin, do Council on Foreign Relations, em Nova York.  O dilema americano, de acordo com analistas, é defender a democratização destes países sem que os governos emergentes sejam contrários aos interesses americanos na região, conforme ocorreu com a vitória do Hamas nas eleições palestinas, o fortalecimento de grupos pró-Irã no Iraque e um governo libanês com enorme influência do Hezbollah.

11h10 – Relatos de uma rede de TV do Egito indicam que o ministro do Interior e um empresários ligado a Mubarak teriam sido presos. O governo egípcio decidiu fechar a rede de TV Al Jazeera e revogou as credenciais de seus jornalistas

10h50 – Análise – Com seus aliados enfrentando dificuldades de Sanaa ao Cairo, a administração de Barack Obama começa a estudar adoção da agenda da liberdade para a democratização do mundo árabe, lançada e abandonada pelo ex-presidente George W. Bush em meados da década passada. A avaliação é de analistas que têm acompanhado os acontecimentos na Tunísia e no Egito.

10h30 (domingo) – Mubarak, em demonstração de força, visitou hoje base militar. Nas ruas, continuam os protestos. Juízes se juntaram às manifestações na praça Midan al Tahrir, no centro do Cairo, onde está o Museu Egípcio. Movimentos políticos pedem a formação de um governo de transição liderado pelo Nobel da Paz e ex-diretor da Agência Interrnacional de Energia Atômica, Mohammad El Baradei. Benjamin Netanyahu, premiê de Israel, disse torcer pela estabilidade no Egito e pediu respeito aos acordos de paz

Domingo

23h15 – muitos passageiros no aeroporto do Cairo tentam sem sucesso sair do país. Outros, nos EUA e na Europa, não conseguem embarcar. Há atrasos e cancelamentos nas duas direções

21h25 – Exército do Egito está dando um tempo para Mubarak sair, segundo análises de risco político que acabei de ler. E o prazo é curto

21h15 Comentário – A previsão neste ano era de que os três principais eventos no Oriente Médio seriam a tentativa palestina de buscar unilateralmente a sua independência, o risco de uma nova guerra civil no Líbano e mais pressões contra o programa nuclear iraniano. Claro, todos falavam das eleições do Egito, mas como cartas marcadas. E também da saúde do rei Abdullah da Arábia Saudita

Até acontecer a queda de Ben Ali na Tunísia e os acontecimentos de agora no Egito. Ainda não sabemos qual será a postura palestina. O Líbano está inacreditavelmente calmo nos últimos dias. Israel está mais preocupado com o Cairo do que com Teerã. E precisamos abrir os olhos para a Arábia Saudita. É a velha teoria do Cisne Negro que sempre falo aqui no blog. Os eventos mais importantes nunca são previstos por ninguém. Foi assim com a Revolução Islâmica no Irã em 1979 e o 11 de Setembro. Dois momentos que mudaram para sempre o Oriente Médio. Agora, vivemos mais um deles

21h – O governo está perdendo o controle no Egito. Há relatos de que vilas no Sinai estão nas mãos de tribos de beduínos. A fronteira com Gaza estaria sem polícia. Patrulhas são formadas para garantir a segurança de regiões nos subúrbios do Cairo. Países árabes enviaram aviões para retirar os seus cidadãos do Egito. Apesar do toque de recolher, os protestos prosseguem. Há temor de vandalismo em locais como o Museu Egípcio. Israel está em alerta diante da possibilidade de mudança de regime

19h20 – Duas discussões no momento – 1) Cenário pós-Mubarak  2) Saques nos subúrbios do Cairo

18h10 – Situação nos subúrbios do Cairo começa a ficar fora de controle durante a noite, com saques e violência. Não há presença da polícia fora do centro. Foram formadas algumas patrulhas nestes bairros afastados para combater a violência

18h05 – Análise – Michael Collins, do Middle East Institute, de Washington – “As nomeações de Shafiq para premiê e de Suleiman para vice podem ter ocorrido tarde demais. Deveriam ter sido realizadas na segunda-feira”

18h – Breaking News – Exército do Egito não está mais policiando a passagem de Rafah, entre o Egito e a Faixa de Gaza. Hamas começa a querer se envolver na crise egípcia e matém contatos com a Irmandade Muçulmana

14h15 – Suleiman, novo vice-presidente, não vai querer ser presidente. O candidato do regime e provável líder egípcio é Ahmad Shafik, novo premiê. O blog adiantou ontem em análise que ele seria o futuro nome forte do Egito. Os filhos de Mubarak já estão em Londres

14h10 – Ahmed Shafik será o novo premiê. O blog adiantou ontem no início do dia que ele era uma das figuras cotadas para substituir Mubarak

13h55 – Análise – A estratégia parece ser a seguinte – Mubarak fica no poder até a eleição de setembro ou renuncia em breve alegando problemas de saúde. Omar Suleiman, respeitado pelos EUA e Israel, assumiria o poder em uma transição para a democracia que afastaria o risco de a Irmandade Muçulmana tomar as rédeas em possível vácuo de poder – Omar Suleiman é chefe da inteligência e foi nomeado vice-presidente há poucos minutos

13h50 – Não descartem a possibilidade de que a escolha de Suleiman tenha sido o primeiro passo para o fim do regime de Mubarak. O novo premiê, muito bem relacionado com os EUA, assumiria o poder e poderia levar adiante reformas

13h35 – Israel não deve se envolver na questão egípcia. Qualquer declaração israelense a favor de Mubarak, que é um aliado, apenas enfraqueceria mais o regime

BREAKING NEWS 13h30 – Omar Suleiman, chefe da inteligência, será o novo vice-presidente. Ele sempre foi muito forte dentro do regime e cotado para substituir Mubarak. Possui ótimas relações com os EUA e Israel. Porém sempre teve uma imagem muito atrelada à do atual presidente egípcio. Em caso de deposição de Mubarak, teria dificuldades de conseguir apoio da população

13h25 – Análise – Os Estados Unidos tendem a voltar a defender a agenda da liberdade de George W Bush. A administração de Barack Obama não concorda mais com o status quo do mundo árabe, divido entre monarquias absolutistas e ditaduras seculares – apenas o Líbano e o Iraque possuem frágeis democracias. A expectativa é de que os acontecimentos na Tunísia e agora no Egito levem a uma terceira via, da democracia. Há o risco de o efeito ser contrário e governos hostis aos EUA, ainda que mais democráticos, emergirem. Outra possibilidade seriam novas ditaduras

13h16 – Os protestos prosseguem hoje no Cairo, apesar do toque de recolher ter sido antecipado para às 16h locais. A internet permanece bloqueada, apesar dos pedidos dos EUA para que fosse liberada

12h – A experiência de cobertura em tempo real ontem valeu a pena. É claro, gostaria de estar no Cairo, acompanhado de perto os acontecimentos, como fiz no Haiti, Israel-Gaza e Honduras. Mas, sem alternativa, montei o esquema de atualizar o blog e o twitter o tempo todo. E voltarei a qualquer momento.

Apenas para vocês saberem os bastidores, eu fiquei com a TV na CNN, acompanhava a Al Jazeera no iPad, seguia uma série de fontes de informação no Twitter, lia os principais órgãos de imprensa internacionais e conversava com amigos analistas. Muitos leitores deram informações fundamentais

Com estas fontes, o blog conseguiu dar em primeira mão a prisão do Mohammad El Baradei, Nobel da Paz e líder da oposição, em uma mesquita do Cairo. Também informamos antes dos outros o apedrejamento de Ayman Nour. No fim do dia, fomos na via errada, assim como muita gente, ao cogitar a possibilidade de que Hosni Mubarak havia sido destituído.

As análises ajudaram. O cenário da manhã se provou correto. Escrevi às 9h45 de ontem (6h45 aqui de Nova York) – Três cenários estudados pela agência de risco político Eurasia – 1) (Mais provável) Hoje é apenas o início de uma série de manifestações da oposição contra o regime, que usará a força para tentar combatê-las. O envolvimento da classe média tende a crescer. A economia do Egito será afetada por quedas no mercado financeiro e redução drástica no turismo 2) (pouco provável) Como na Tunísia, os militares chegarão à conclusão de que é melhor remover Mubarak do poder 3) (menos provável) Governo obtém sucesso na repressão aos protestos

Ainda é cedo para definir o que ocorrerá no Egito no médio prazo. Mais tarde, volto com mais posts.

BREAKING NEWS – Mubarak na TV- Demitiu seu gabinete, mas ele continua no poder. Segundo o analista Fareed Zakaria, na CNN, o Exército optou por apoiar Mubarak. “Não foi como a Tunísia”, disse, se referindo aos militares tunisianos, que se voltaram contra Ben Ali. Na avaliação dele o líder egípcio tentou se mostrar forte. “Mas pode ter sido um cálculo errado”, concluiu

BREAKING NEWS – Mubarak na TV do Egito – “Devemos ficar um ao lado do outro. Vi as demonstrações. Disse ao governo para dar a eles o espaço para que digam o que quiserem e precisarem. Depois disso, estava tão preocupado com os oficiais e os civis feridos. Era óbvio que as forças de segurança quiseram que os protestos fossem pacíficos e dentro da lei.

Como presidente deste país e com todo o poder que a Constituição me dá, garanto que estamos dando liberdade de opinião desde que respeitem a lei. Há uma linha tênue entre liberdade e caos. Estou do lado da liberdade de cada cidadão. Ao mesmo tempo, estou ao lado da segurança do Egito. Não vou deixar que nada perigoso ameace a paz e a lei.

Egito é o maios país da região. E está sob as leis de sua Constituição. Devemos tomar cuidado com qualquer coisa que provoque o caos. Nenhuma democracia pode permitir o caos. Estas manifestações queriam demonstrar as suas opiniões para ter mais empregos, para reduzir os preços e combater a pobreza. Eu sei sobre todos estes problemas que as pessoas estão pedindo. Trabalho para isso todos dias.”

20h20 – Agora, a Nile TV, do Egito, diz que Mubarak fará um discurso. O Canal 10 de Israel, por sua vez, afirma que Mubarak está em um avião a caminha da Suíça

BREANKING NEWS – PRESIDENTE DO PARLAMENTO IRÁ FALAR NA TV DO EGITO. HÁ ESPECULAÇÕES DE QUE MUBARAK PODE TER DEIXADO O PODER

20h – Conclusão – O dia termina no Egito com o cenário mais provável indicado no início deste post se realizando. Hoje foi apenas o início de uma série de manifestações da oposição contra o regime, que usará a força para tentar combatê-las. O envolvimento da classe média tende a crescer. A economia do Egito será afetada por quedas no mercado financeiro e redução drástica no turismo. Pode haver instabilidade e rachas no regime.

Os Estados Unidos adotaram uma posição contrária às atitudes do regime egípcio de reprimir os protestos e bloquear o uso da internet. O presidente Barack Obama sequer conversou por telefone com Hosni Mubarak. Porém o governo americano não defendeu a renúncia do líder egípcio e tampouco o fim do regime. Mubarak foi a grande peça ausente do dia. Ninguém sabe se ele está no Cairo ou Sharm el Sheikh, no Sinai. Prometeu fazer um discurso, mas desapareceu.

18h15 – Casa Branca – “Obama recebeu relatório durante a madrugada sobre a situação. Ficou 40 minutos discutindo a situação no Egito. Nossa embaixadora está em contato, mas o presidente não falou com Mubarak. Não é escolher entre uma pessoa ou um país. Forças de Seguranças e manifestantes devem evitar a violência. A internet e sites devem ser desbloqueados. As reivindicações devem ser atendidas pelo governo, através do diálogo. Liberdade de expressão e de social. Esta situação será resolvida pela população do Egito. É importante para o governo egípcio. Vamos rever a nossa assistência (financeira) com base no que ocorrer nos próximos dias.”

[galeria id=23]

17h15 – A Casa Branca decidiu adiar a divulgação de um comunicado oficial sobre a situação no Egito. Não foi dada uma explicação oficial. O líder egípcio, Hosni Mubarak, também anunciou que faria um discurso três horas atrás. Mas, até agora, ele não falou. Uma comissão da alta cúpula militar egípcia está em Washington para reunião estratégicas que já estavam previstas. Começam a crescer especulações de que Mubarak pode ser afastado nos próximos dias, dependendo de como o cenário evoluir

16h50 – As manifestações  prosseguem agora à noite no Cairo, Alexandria, Suez e outras cidades do Egito três horas depois do início do toque de recolher e com o Exército nas ruas. O presidente Hosni Mubarak anunciou ao redor das 18h no Cairo (14h no Brasil) que faria um discurso. Até agora, não apareceu. Tampouco está claro se ele está na capital egípcia ou no balneário de Sharm el Sheikh, onde costuma passar a maior parte do tempo. A Casa Branca deve divulgar um comunicado oficial sobre a situação nos próximos minutos.

15h50 Análise – Quem seria o homem que o regime indicaria para o lugar de Mubarak, se ele cair? O chefe da inteligência Omar Suleiman? Reva Bhalla, diretora de Oriente Médio da Stratfor – “Suleiman é muito respeitado, por ser o mais antigo. Era a solução de compromisso até pouco tempo atrás. Mas, agora, perdeu força. O mais poderoso, que foi chefe da Força Aérea e hoje atua como ministro da Aviação Civil, é Ahmed Shafik.”

BRAKING NEWS – Hillary comenta Egito – 15h12 – A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, defendeu reformas no Egito e pediu para que o regime de Mubarak permita as manifestações. A seguir, trechos do discurso dela –  “Estamos preocupados com o uso da força. Pedimos ao governo Egito que contenha as suas forças de segurança. Os manifestantes devem ter o direito de se expressar pacificamente. Defendemos os direitos universais, como o direito à associação e à expressão. O Egito deveria permitir as manifestações. O Egito não deveria cortar as comunicações e precisa entender que a violência não ajudará a superar as reivindicações do povo. O Egito deveria fazer reformas, disse o presidente Obama. E o Egito é nosso parceiro. Nós acreditamos fortemente que eles deveriam se envolver em reformas econômicas, políticas e sociais. Os egípcios deveriam viver em uma sociedade democrática com respeito aos direitos humanos”.

15h – Análise – A população não bate de frente com os militares. Significa, talvez, que eles ainda respeitem esta instituição, mas não o regime. Consequentemente, a possibilidade de o Exército remover Mubarak não pode ser descartada. Seria igual ao que ocorreu na Tunísia com Ben Ali. E o presidente ainda não apareceu para pronunciamento

14h45 – A Casa Branca divulgou comunicado afirmando que os EUA “estão muito preocupados com a violência no Egito. O governo deve respeitar os direitos sociais do povo egípcio e liberar as redes sociais e a internet”

Breaking News – Incêndio na sede do partido de Mubarak no Cairo – 14h30 – Há um incêndio na sede do Partido Nacional Democrata, de Hosni Mubarak. Há explosões perto do Ministério da Informação. O líder do regime deve falar nos próximos minutos

14h25 – Egípcios continuam nas ruas, apesar do toque de recolher imposto pelo regime, iniciado às 18h do Cairo (14h de SP). Todos aguardam o discurso de Hosni Mubarak, previsto para os próximos minutos. Há informações de que mais de mil pessoas foram detidas. O líder da oposição e Nobel da Paz, Mohammad El Baradei, está sob prisão domiciliar

BREAKING NEWS – MUBARAK FARÁ DISCURSO DAQUI A POUCO – Líder egípcio deve entrar em rede nacional, segundo a CNN. Deve ser nos próximos minutos. A decisão de enviar o Exército para as ruas foi do próprio Mubarak, segundo a mídia estatal. Pode ser uma tentativa de mostrar que o presidente ainda está no comando. Al Jazeera exibe cena de manifestantes tentando empurrar veículo militar para o rio Nilo. Toque de recolher foi imposto no Cairo

13h30 – Toque de recolher será imposto às 18h (14h de São Paulo) pela polícia em todo o Egito. Dificilmente será respeitado. A polícia está invadindo neste momento o prédio de operam diversas organizações de imprensa estrangeiras, ao lado da Midan Al Tharir. A Al Jazeera temem que sua transmissão seja interrompida. Manifestantes mais uma vez começam a fazer as orações islâmicas antes do pôr do sol diante dos policiais. É um dos símbolos da manifestações. Há incêndios em Alexandria. Em Suez, os manifestantes superam a polícia

Breaking News 13h10 – Exército saiu para as ruas do Cairo. Não está claro ainda se em grande quantidade e tampouco de que lado estão. Eles costumam ser mais respeitados do que a polícia pela população. Alguns celebraram os soldados. A posição dos militares será chave para definir o futuro de Mubarak. Segundo Ibrahim Arafat, da Universidade do Qatar, a presença dos militares significa que a polícia fracassou. O futuro está nas mãos dos militares. Na Tunísia, eles foram decisivos para a queda de Ben Ali. Mubarak está nas mãos do Exército.E confirmada a prisão domiciliar de El Baradei, líder da oposição e Nobel da Paz

12h46 – Informações não confirmadas ainda, mas que circulam por mídias sociais, indicam que El Baradei, líder da oposição e Nobel da Paz, teria sido levado da mesquita, onde estava detido, segundo a rede de TV Al Jazeera, para prisão domiciliar no Cairo. Repórter da BBC que apareceu sangrando no ar confirmou ter sido agredida pela polícia

12h37 – A pergunta principal no momento é sobre qual será a atitude do Exército diante das manifestações. Na Tunísia, Ben Alin renunciou no momento em que os militares se recusaram a combater os protestos. No Egito, até agora, a polícia permanece responsável por lidar com os levantes contra o regime de Mubarak. Conforme os protestos se intensificarem, talvez seja necessário recorrer aos militares. Por enquanto, o Exército se mantém calado. Um analista, na Al Jazeera, acabou de dizer que, se fosse integrante do partido do Mubarak, “estaria urinando nas calças”.

12h20 – Análise – Reva Bhalla (diretora de Oriente Médio da Eurasia) – Mesmo antes dos protestos, muitos militares da velha guarda estavam irritados com ao possível apoio de Mubarak ao seu filho Gamal nas eleições de setembro. Eles preferem que assuma um deles próprios. Note como Mubarak está quieto e, mais importante, a ida de Gamal para Londres. Eles estão prestando atenção nos protestos. Se perceberem que o foco está no Mubarak, trabalharão por sua renúncia. Mas eles precisam tomar cuidado, ao mesmo tempo, para não perder o controle das ruas.

12h05 – Até agora, o governo dos Estados Unidos não se manifestou sobre os protestos de hoje no Cairo. Barack Obama está recebendo informações o tempo todo sobre o cenário. O Egito é um aliado dos EUA, recebendo bilhões em ajuda militar. Por enquanto, a posição americana é cautelosa, esperando para ver o rumo dos acontecimentos. Para a próxima semana, está previsto um diálogo sobre questões militares envolvendo autoridades dos dois países. Ayman Nour, líder da oposição, foi apedrejado. El Baradei, Nobel da Paz, está preso em uma mesquita (relatos abaixo)

11h55 – Al Jazeera exibe imagens de civis feridos nas ruas do Cairo. Muitos sangrando. Manifestantes começam a lançar pedras contra a polícia, forçando o recuo do blindado na principal ponte do Cairo, sobre o rio Nilo. Analistas dizem que o Egito nunca voltará mais ao status quo anterior

11h40 – Em algumas partes de Alexandria, policiais começam a se juntar aos protestos. “Também somos do povo”, dizem alguns membros das forças de segurança ao se juntaram aos atos contra Mubarak. “Não vamos lutar contra vocês”. Em outras áreas da cidade mediterrânea, há confrontos. Ayman Nour, líder da oposição, foi apedrejado. El Baradei, Nobel da Paz, está preso em uma mesquita (relatos abaixo)

11h35 – Momento Praça Tiananmen na ponte 6 de Outubro no Cairo. Manifestantes conseguem fazer blindado da polícia recuar. Também superam policiais com pedras. Há uma explosão no meio das forças de segurança, que começam a perder o controle do Cairo. Fumaça na ponte principal da capital egípcia, sobre o rio Nilo. Seria um coquetel Molotov lançado pelos manifestantes.

11h30 – Políticos ligados ao governo começam a criticar regime em redes de TV árabes. Podem ser os primeiros rachas. Em Suez, policiais são cercados pela população e param de combater os protestos. Chama a atenção a ausência do Exército. Correspondente da BBC em árabe aparece no ar sangrando. Ayman Nour, líder da oposição, foi apedrejado. El Baradei, Nobel da Paz, está preso em uma mesquita (relatos abaixo)

11h15 – Ayman Nour, secular e líder da oposição egípcia, foi apedrejado quando deixava uma mesquita no Cairo. Está na UTI. Ele sofre de diabetes. Nas ruas do Cairo, pessoas começam a rezar diante dos policiais. Cristãos coptas prometem dar abrigo a membros da Irmandade Muçulmana caso eles sejam perseguidos pelo regime

11h10 – A polícia perdeu o controle em Suez. Em Alexandria, há incêndios e a violência se disseminou por toda a cidade. Cartazes de Mubarak são queimados. Manifestantes continuam saindo às ruas. No Cairo, protestos se aproximam do Palácio Presidencial. Uma menina morreu. El Baradei é mantido preso dentro e uma mesquita na capital egípcia.

11h05 – A prisão de El Baradei, líder da oposição e Nobel da Paz, começou uma hora antes das orações de sexta, que começa às 12h (hora do Cairo). Quando ele entrou na mesquita, a polícia estava dentro. Assim que acabou a cerimônia, alguns foram para o lado de fora e começaram a se manifestar dizendo “Deus é Grande” e pedindo o fim do regime. El Baradei não estava entre eles. Os policiais reagiram com violência. Os manifestantes voltaram para dentro da mesquita. Havia mulheres e crianças. Um homem sofreu um ataque cardíaco. Outrocs ficaram feridos. Mais uma vez, tentaram ir para as ruas. A polícia impôs um cerco e proibiu a saída de El Baradei, de seu irmão e de seus assessores de dentro de mesquita. Ele continua lá dentro.

11h05 – Chama a atenção a ausência do Exército nas ruas. Apenas a polícia está combatendo. Talvez tenha havido ruptura. Os protestos são considerados os maiores da história do Egito. Há 20 manifestantes para cada policial

11h – Alguns jornalistas estrageiros são impedidos de entrar no Egito. Outros omitem ser da imprensa para conseguir ingressar no país

10h25 – Cenas da Al Jazeera são impressionantes. Informações indicam que dezenas ou mesmo centenas de milhares de pessoas estão nas ruas no Cairo, Suez e Alexandria. Há muitas mulheres e crianças. Protestos aumentaram depois do fim das orações muçulmanas de sexta-feira. Gritam diantes dos policiais que querem o fim do regime e a queda do Mubarak. Um manifestante entrou na frente da câmera da rede de TV e gritou “Acabou Mubarak”. Em determinados pontos, as forças de segurança perdeu o controle. Nos choques há muitos feridos, incluindo jornalistas estrangeiros. Não há relatos de mortos ainda. El Baradei, líder da oposição, foi preso, segundo a rede de TV.

10h20 – Polícia retirou a câmera da  CNN e impediu a equipe da rede de TV de seguir trabalhando na praça Midan Al Tahrir. Al Jazeera exibe imagens da população partindo para cima dos policiais, que reagem com violência. Há cartazes pedindo para Mubarak ir embora. Protestos no Cairo, apesar da repressão, começam a crescer

10h05 – Há duas versões sobre o destino de El Baradei. Uma delas diz que foi levado para a prisão. Em outra, ele estaria retido pela polícia em uma mesquita e impedido de falar com a imprensa e participar das manifestações

10h – EL BARADEI PRESO – El Baradei, Nobel da Paz e um dos líderes da oposição do Egito, foi preso pelo regime de Mubarak enquanto rezava na mesquita, de acordo com a rede de TV Al Jazeera

9h55 – Em Alexandria, centenas de pessoas começam a emergir das mesquitas entoando gritos para que Mubarak seja deposto. Arrancam cartazes do governo. Há choques com a polícia. A situação é caótica, descrita como pandemônio. Mohammad El Baradei, Nobel da Paz e líder da oposição, está preso, segundo a rede de TV Al Jazeera.

EL BARADEI ESTÁ PRESO – Informação é da rede de TV Al Jazeera

9h50 – AL Jazeera – Mohammad El Baradei, Nobel da Paz e líder da oposição, teria sido preso. Imagens de centenas de pessoas cruzando ponte no Cairo em direção à praça Midan Al Tahrir, no centro da cidade. Em seguida, elas começam a correr na outra direção por serem perseguidas pela polícia

9h45 – Três cenários estudados pela agência de risco político Eurasia – 1) (Mais provável) Hoje é apenas o início de uma série de manifestações da oposição contra o regime, que usará a força para tentar combatê-las. O envolvimento da classe média tenfe a crescer. A economia do Egito será afetada por quedas no mercado financeiro e redução drástica no turismo 2) (pouco provável) Como na Tunísia, os militares chegarão à conclusão de que é melhor remover Mubarak do poder 3) (menos provável) Governo obtém sucesso na repressão aos protestos

9h35 – Ben Wedeman (CNN) – “As pessoas estão tentando protestar na praça Midan al Tahrir, mas a polícia começou a reprimir. Pode ser o começo de um dia muito violento. A polícia parte para cima dos jornalistas e de manifestantes pacíficos. Alguns policiais estão inflitrados com roupas civis no meio da população. No momento, os manifestantes estão correndo. Não dá para enviar mensagens de texto pelo celular”

9h30 (hora de SP) – Reva Bhalla (diretora de risco político da Stratfor) – “Mesmo antes dos protestos, muitos militares da velha guarda estavam irritados com ao possível apoio de Mubarak ao seu filho Gamal nas eleições de setembro. Eles preferem que assuma um deles próprios. Note como Mubarak está quieto e, mais importante, a ida de Gamal para Londres. Eles estão prestando atenção nos protestos. Se perceberem que o foco está no Mubarak, trabalharão por sua renúncia. Mas eles precisam tomar cuidado, ao mesmo tempo, para não perder o controle das ruas.”

9h20 (hora de SP) – Apesar da repressão policial, as pessoas estão nas ruas e protestando. Há relatos de choques com a polícia. As orações da sexta já terminaram. Neste momento, as manifestações devem crescer. Em Alexandria, a polícia começou a usar gás lacrimogêneo. De acordo com o Ministério do Interior, protestos hoje no Egito serão considerados ilegais

8h50 (hora de SP) – Facebook, Twitter e Blackberry estão bloqueados no Egito. Em alguns momentos, tampouco há internet Ação do governo visa sabotar manifestações de hoje. Protestos estão proibidos pelo governo, com segurança espalhada por toda a cidade. Mesmo assim, manifestantes disem que irão às ruas. Há relatos de que jornalistas não podem sair de seus hotéis. Tradicionais orações islâmicas das sextas foram banidas em algumas mesquitas

8h30 – Reva Bhalla (diretora de risco político da Stratfor) afirmou para mim – “As próximas 24 horas serão decisivas, com os protestos marcados para hoje. As manifestações dos últimos dias quebraram a barreira do medo de se opor ao regime. A população acredita que pode protestar. Hoje, por ser sexta (dia de folga no Egito), mais pessoas poderão sair às ruas. Desde que estas manifestações começaram, o tom dos oficiais, sempre confiantes, mudou um pouco. Por este motivo, haverá uma tolerância zero hoje. Não podemos esquecer que o Egito tem um forte aparato de segurança.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.