As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Qual a estratégia de Assad para a Síria se o ISIS for derrotado?

gustavochacra

02 de outubro de 2014 | 12h57

O ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico no Ocidente e Daesh no mundo árabe, atua principalmente no norte e no leste da Síria. Sua base está em Raqaa, a 440 quilômetros de Damasco. Para alguns analistas, se a organização for derrotada, o regime de Bashar al Assad passaria a ocupar o território. Pode ser. Mas, na minha visão, o cálculo de Assad é distinto.

O líder sírio é realista e sabe ser impossível controlar toda a Síria no futuro. Em vez disso, há algum tempo, o regime decidiu se concentrar em proteger Damasco e manter a ligação via Homs e Hama até o seu bastião na costa Mediterrânea, em Latakia e Tartus, onde a população cristã e alauíta é maior.

Além desta área, Assad ainda pretende voltar a controlar integralmente Aleppo, hoje dividida. Talvez consiga. O problema é que, em Aleppo, o líder sírio não tem a ajuda do Hezbollah – o grupo libanês atua principalmente na fronteira da Síria com o Líbano. Para ajudar suas forças militares, Assad, em Aleppo, conta apenas com milícias cristãs.

O custo para controlar Raqaa seria enorme para Assad. Aliás, este é o principal motivo de seu regime ter atacado mais outros grupos rebeldes do que o ISIS, e não uma estratégia maquiavélica para reduzir a opção do Ocidente no conflito para uma escolha entre ele ou o grupo radical.

Sem dúvida, existe a questão de petróleo. Mas mesmo assim o regime talvez pretenda priorizar as áreas onde tem relativo apoio popular, mais populosas e próximas à faixa de Damasco até a Costa Mediterrânea.

 Não sei como faz para publicar comentários. Portanto pediria que comentem no meu Facebook (Guga Chacra)  e no Twitter (@gugachacra), aberto para seguidores

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugacha

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.