As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Qual era a minha previsão para a Síria 4 anos atrás?

gustavochacra

27 de novembro de 2015 | 13h11

Ontem, no Thanksgiving, decidi ver o que eu escrevi sobre a Guerra da Síria quando estava em Damasco quatro anos atrás. O texto segue abaixo e, claramente, já se delineava o atual contorno do conflito como observamos hoje. Noto que o temor na época era o de a Síria se tornar um novo Iraque ou um Líbano dos anos 1990. Virou e até ficou pior. Bashar al Assad tinha apoio dos cristãos, alauítas, drusos e sunitas moderados das grandes cidades. Continua tendo. A oposição era formada por sunitas conservadores do interior e um crescente número de estrangeiros. Ainda é assim. Assad não iria cair. Não caiu. Enfim, leia o relato que escrevi em outubro de 2011. Enfim, o panorama da Guerra da Síria era óbvio e é lamentável que as grandes potências tenham errado tanto e permitido a radicalização da oposição, que culminaria no surgimento do ISIS (Daesh ou Grupo Estado Islâmico) e outras facções radicais como a Frente Nusrah (Al Qaeda na Síria) e Jaysh al Islam.

A crise na Síria não pode ser resumida a um regime massacrando manifestantes que lutam pela liberdade após quatro décadas de reinado da família Assad. Apesar de centenas de defensores da democracia terem sido vítimas da repressão – milhares enfurecidos exigiram ontem o fim do governo no funeral de um líder curdo pró-democracia morto na sexta-feira -, o cenário que mais se encaixa ao que acontece nessa nação árabe é o do embrião de uma guerra civil.

Em cidades como Duma, no subúrbio de Damasco, e Homs, a terceira maior do país, Exército e milícias pró-governo enfrentam diariamente grupos armados com apoio do exterior. Na vanguarda dos levantes que eclodiram em março, Hama e Deraa estão sob rígido controle militar do governo desde as operações contra facções armadas e manifestantes civis da oposição em agosto.

Na sexta-feira, a repressão matou pelo menos 16 manifestantes após as orações. Um deles era Mashaal Tammo, dirigente curdo cujo funeral mobilizou ontem 50 mil pessoas em Qamishli e Amuda, nordeste do país. Houve novo confronto com a polícia e pelo menos cinco manifestantes morreram durante o cortejo.

O temor é de que o número crescente de mortos aumente a adesão popular à oposição e transforme o território sírio em um novo Iraque ou no Líbano dos anos 1980, com disputas sectárias. “As pessoas estão com medo do que poderá acontecer. Poucos têm coragem de dizer isso para você, que é estrangeiro. Mas todos os sírios sentem medo do que está por vir”, disse um sunita de uma família tradicional de Damasco, dono de uma loja de antiguidades na parte antiga da cidade.

“O regime ainda está intacto e Assad não corre risco nos próximos seis meses. Mas um conflito civil de baixa intensidade prosseguirá de forma crônica”, diz Ayham Kamel, especialista em Síria da consultoria de risco político Eurasia.

Os opositores armados, antes do fracasso de uma resolução condenando o regime sírio no Conselho de Segurança, mantinham a esperança de uma ação internacional nos moldes da Líbia para derrubar o regime. Segundo a ONU, 2,9 mil civis foram mortos pelo governo, que rejeita esse número e argumenta que grupos armados mataram 700 membros das forças de segurança.

Os mais radicais a favor de Assad são cristãos, muçulmanos alauitas e drusos. Seculares da maioria muçulmana sunita defendem o governo, com reticências. Os opositores dividem-se em diversas facções, incluindo sunitas mais conservadores do interior, uma elite intelectual nas maiores cidades e jovens inspirados pelos protestos pró-democracia da Praça Tahrir, no Cairo, além da minoria curda.

Em áreas cristãs, como o bairro de Bab Touma, na capital síria, os cartazes de Assad estão pendurados em todas paredes e falar mal do líder sírio é tabu. Nos meios intelectuais, ocorre o inverso. Não se pode defender o governante da Síria. No mercado Hamidiyeh, uma área comercial da era otomana com os tradicionais comerciantes sunitas de Damasco, o gigantesco outdoor com Assad na entrada foi retirado. O líder tampouco aparece em fotos nas lojas e mercados.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. E comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram