As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quem ajudou mais o Irã, Bush ou Obama? Bush, óbvio

gustavochacra

27 de abril de 2015 | 13h19

George W. Bush criticou Barack Obama pela negociação com o Irã. Algo raro para o ex-presidente, que sempre optou por manter o cavalheirismo e não dar declarações sobre o seu sucessor. Na visão dele, o atual presidente está errado ao negociar com o Irã e abrandar as sanções. Discordo dele, mas é uma opinião legítima e compartilhada por pessoas sérias.

Não podemos esquecer, porém, que Bush fortaleceu o Irã. Primeiro, fez duas guerras para combater dois dos maiores inimigos do regime de Teerã – contra o Taleban no Afeganistão e contra Saddam Hussein no Iraque. Não satisfeito, ainda colocou no poder em Cabul e Bagdá dois aliados iranianos. E, ao longo do seu mandato, o Irã avançou como nunca em seu programa nuclear. Nestas ações pró-Irã de Bush, milhares de americanos e centenas de milhares de afegãos e iraquianos foram mortos.

Obama, por sua vez, conseguiu impor o maior regime de sanções da história contra o Irã tanto nos EUA como no Conselho de Segurança da ONU. Convenceu a União Europeia a seguir no mesmo caminho. E está perto de um acordo histórico que poderá impedir o Irã de desenvolver uma arma atômica e, além disso, poderá ter um aliado fundamental na guerra contra a Al Qaeda e o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh.

As declarações de Bush apenas contribuem, agora, para enfraquecer seu irmão Jeb Bush, muito mais preparado do que ele para ser presidente dos EUA. Infelizmente, na memória americana, o sobrenome Bush sempre será associado a um dos priores presidentes da história, o primogênito, apesar de George Bush, o pai, ter sido competente, especialmente em política externa. Jeb tenderia a ser como ele, não como George W. Bush, a eterna ovelha negra da família.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus.