As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quem vencerá, Irmandade ou Forças Armadas? Dará empate

gustavochacra

10 de julho de 2012 | 12h52

no twitter @gugachacra

O Egito tem dois centros de poder atualmente. De um lado, estão as Forças Armadas. Do outro, a Irmandade Muçulmana. Ambos representam parcelas importantes da população. O destino do país está no equilíbrio entre estas duas forças.

Até junho, os militares controlavam o Poder Executivo. A Irmandade dominava o Legislativo. Depois, ficou invertido. Com a decisão de fechar o Parlamento pela Suprema Corte e a eleição de Mohamad Morsy para a Presidência, as Forças Armadas assumiram o Legislativo e os islamitas passaram o ocupar o Executivo.

A determinação de Morsy para reabrir o Parlamento é um golpe neste equilíbrio. Afinal, a Irmandade controlaria tanto o Executivo quanto o Legislativo. Mais importante, teria as duas mãos na redação de uma Constituição. Obviamente, as Forças Armadas não aceitam.

A tendência é este braço de ferro prosseguir até os dois lados se acomodarem. No período, há risco de golpe militar. O mais provável, porém, é que os militares se satisfaçam com o Ministério da Defesa, do Interior e das Relações Exteriores. Questões domésticas, especialmente econômicas, ficariam nas mãos da Irmandade.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. Também é comentarista do programa Em Pauta, na Globo News. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios