As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quer saber dos cristãos no mundo árabe? Então leia este texto

gustavochacra

11 de agosto de 2015 | 13h05

Os cristãos são perseguidos no mundo árabe e há uma enorme gritaria correta quando observamos o que grupos como ISIS (Grupo Estado Islâmico ou Daesh) e a Frente Nusrah fazem com os seguidores desta religião. Mas óbvio que poucos falam quem defende estes cristãos e o que se pode fazer mais para ajudar.

O Líbano é a nação com a maior proporção de cristãos no Oriente Médio. São 40% morando no país ou cerca de 60% se levarmos em conta os libaneses morando na diáspora. Também é o país onde os cristãos melhor vivem na região e o único que possui, por lei ou costume, calendário cristão (fim de semana sábado e domingo e celebração do Natal), metade do Parlamento cristão, metade do ministério cristão, presidente cristão e chefe das Forças Armadas cristão.

Neste momento, o principal líder cristão do Líbano se chama Michel Aoun. Não chega a ser novidade. Aoun ocupa este posto desde o fim dos anos 1980, embora tenha passado 15 anos no exílio. A maior parte dos parlamentares cristãos libaneses integram o partido de Aoun, conhecido como Movimento Patriótico Livre.

Este grupo cristão de Aoun é aliado do Hezbollah e do Irã pois vê o grupo xiita, o regime de Teerã e mesmo Bashar al Assad (de quem Aoun já foi inimigo) como as únicas garantias neste momento de o Líbano não ser sugado pelo ISIS ou pela Frente Nusrah (Al Qaeda na Síria). E Aoun defende o fortalecimento dos cristãos no Líbano, uma nação circundada por um inimigo (Israel) e uma guerra civil sanguinária (Síria).

Há mais de um ano, o Líbano está sem presidente. Existe um impasse envolvendo Aoun e seu maior rival no campo cristão, o ex-líder miliciano Samir Geagea, aliado dos sunitas. É urgente que os cristão libaneses se unam neste momento para evitar o enfraquecimento ainda maior da força dos cristãos no Líbano, o último oásis do cristianismo na região. Alguns já dizem que talvez o Líbano não tenha mais um presidente cristão.

Os cristãos estavam bem no Iraque até a invasão dos EUA. Os cristãos estavam bem na Síria até o início da guerra civil. Agora, sobraram apenas os cristãos do Líbano entre as nações do mundo árabe. E os cristãos são peça fundamental na identidade árabe e do Oriente Médio. São a ponte de ligação entre o ocidente e o oriente.

Os EUA apoiam os lados que estão contra os cristãos árabes. E, pior, os candidatos republicanos, embora retoricamente, defendam os cristãos, também sempre ficam no lado oposto os cristãos do Oriente Médio. O mesmo vale para grupos cristãos evangélicos nos EUA e mesmo no Brasil (mais por desinformação do que por qualquer outro motivo) – o cristianismo ortodoxo, porém, entende bem melhor o cenário na região. O Papa Francisco também conhece melhor a situação e costuma acertar nas suas análises.

Provavelmente, no Brasil, você tem um ou mais amigos de origem libanesa. E quase certamente ele tem origem cristã. Os cristãos libaneses, junto com os muçulmanos sunitas, xiitas, os drusos e, em um passado, recente, os judeus faziam o Líbano uma das nações mais cosmopolitas do mundo. Os libaneses se dão bem em todo o mundo, de São Paulo a Montreal, de Paris a Lagos. Falta apenas se darem bem em Beirute. O Líbano tem tudo para voltar a ser a Suíça do Oriente Médio, o símbolo da prosperidade da sociedade mediterrânea e o grande bastião do Ocidente no Oriente e do Oriente no Ocidente.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco são permitidos ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus