As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ron Paul e os libertários republicanos não têm medo do Irã e nem de ser contra Israel

gustavochacra

29 de dezembro de 2011 | 12h08

Eleições nos EUA 2012

Comentários agora são via Facebook. No post de segunda, foram 235 comentários, apesar de aparecer apenas 35. Isso ocorre porque as respostas a outros leitores não contam mais. Por enquanto, estou sem as ferramentas para moderar e pediria, por favor, para que os leitores respeitem as regras do blog

no twitter @gugachacra

Irã e Israel são questões de política doméstica americana, de acordo com o professor Gary Sick, da Universidade Columbia. Os israelenses sempre são vistos como o “bom” e os iranianos (o regime) como o “mau”. Estes atributos se devem a fatores históricos. Teerã, até 1979, era um aliado. A atitude dos Estados Unidos mudou depois da Revolução Islâmica e a tomada da embaixada, traumatizando a população americana.

Os israelenses são aliados também por fatores históricos e culturais. Os EUA são o segundo maior país judaico do mundo, além de ter grupos evangélicos que admiram os judeus. Israel também esteve ao lado dos americanos na Guerra Fria e culturalmente as duas nações são muito próximas.

Porém as ações dos EUA envolvendo estes dois países afetam a política externa de Washington. Algumas oportunidades são perdidas. O Irã possuía um presidente moderado em 2003 e era inimigo de Saddam Hussein, do Taleban e da Al Qaeda. Seria o momento ideal para Washington se aproximar, já que os dois países possuíam os mesmos interesses. Em vez disso, optaram por isolar Teerã e Mahmoud Ahmadinejad chegou ao poder.

Nos últimos vinte anos, os EUA também evitaram bater de frente com Israel na questão dos assentamentos. Apenas no governo Obama houve um endurecimento. Mas o presidente voltou atrás, com medo de Benjamin Netanyahu. Outras nações do mundo, como a França e o Reino Unido, criticam abertamente a ocupação da Cisjordânia sem ver as suas relações com Israel se deteriorarem.

Ron Paul, o libertário pré-candidato republicano e possível vencedor do cáucus em Iowa, é o primeiro político a abordar abertamente as questões Irã e Israel como política externa. Na visão dele, uma bomba iraniana não será um problema para os americanos. E, se for para os israelenses, que eles ataquem Teerã sem pedir permissão para Washington. Claro, também sem ajuda militar e financeira. Cada país faz o que bem entender com o dinheiro de seus contribuintes.

 Aliás, o diretor do Mossad disse hoje que o Irã tampouco é uma ameaça para Israel.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.