As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

TEERÃ (PARTE 2) – Irã usa Brasil e Turquia para ganhar tempo, diz maior acadêmico iraniano nos EUA

gustavochacra

17 Maio 2010 | 16h46

O Irã usa o Brasil e a Turquia para ganhar tempo. A afirmação é do professor iraniano-americano Abbas Milani, diretor do Centro de Estudos Iranianos da Universidade Stanford e do Instituto Hoover e considerado um dos maiores especialistas em Irã nos Estados Unidos. Na sua avaliação, o acordo com turcos e brasileiros dificultará a aprovação de novas sanções contra o regime de Teerã no Conselho de Segurança da ONU. Abaixo, trechos da conversa do blog, em Nova York, com Milani, na Califórnia, por telefone.

Blog – O acordo elaborado por Brasil-Irã-Turquia é sério e terá algum efeito no programa nuclear iraniano?

Abbas Milani – Parece ser apenas mais uma tentativa do regime de Teerã de usar alguns países para ganhar tempo. Antes, o Irã fez o mesmo com a Rússia, a China e até mesmo os europeus. Agora, seria o Brasil e a Turquia. Também precisamos saber o que significam estes 1.200 kg de urânio enriquecido a 5%.

Blog – Agora ficou mais difícil aprovar uma nova resolução com sanções ao Irã?

Milani – Os EUA, seus aliados europeus, a China e a Rússia terão um grande problema. Será muito difícil aprovar sanções agora. E o regime iraniano sabe disso e fez um pacto com a Brasil e a Turquia. Os brasileiros dão legitimidade por serem de fora da região, uma potência emergente, latino-americana. E os turcos por integrarem o mundo islâmico.

Blog – Como o regime iraniano está vendendo o acordo internamente?

Milani – Ahmadinejad e o governo enfrentam inúmeros problemas domésticos. Portanto, estão dizendo que o acordo foi uma vitória, que todos os pontos impostos por eles foram aceitos. Segundo o regime, a comunidade internacional precisou aceitar o acordo nos termos iranianos.

Blog – O objetivo do Irã é ganhar tempo?

Milani – Sim, eles querem ganhar tempo e o acordo serviu para este objetivo. Enquanto isso, podem desenvolver o conhecimento necessário para produzir uma bomba. Mas, que fique claro, eles ainda não tomaram a decisão política de fabricar uma arma nuclear. Para o Irã, este acordo com o Brasil e a Turquia é uma situação “win-win”, sendo positiva de qualquer ângulo para eles.

Blog – As sanções adiantariam para frear o programa nuclear iraniano?

Milani – Sempre achei que não. O regime tem como burlar estas sanções. Mas, agora, passei a achar que o regime teme as sanções ao fazer de tudo para impedir a aprovação.

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes

O jornalista Gustavo Chacra, mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia, é correspondente de “O Estado de S. Paulo” em Nova York. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Yemen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti e crescimento da Al Qaeda no Yemen. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo em 2009, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Leia os blogs dos correspondentes internacionais do Estadão –
Ariel Palacios (Buenos Aires) – http://blogs.estadao.com.br/ariel-palaci… –
Patricia Campos Mello (Washington) – http://blogs.estadao.com.br/patricia-cam… –
Claudia Trevisan (Pequim) – http://blogs.estadao.com.br/claudia-trev… –
e Adriana Carranca (pelo mundo) – http://blogs.estadao.com.br/adriana-carr…