As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Teoria dos Jogos para explicar a Coreia do Norte

gustavochacra

29 de março de 2013 | 10h40

Veja meu comentário sobre ARMAMENTOS NOS EUA no Jornal das Dez da Globo News junto com a reportagem da Luciana Franchini na Califórnia

Leia os últimos posts

TERRORISMO DA OPOSIÇÃO SÍRIA PRECISA SER CONDENADO

VOCÊS SABIAM DA GREVE DE FOME CONTRA OBAMA EM GUANTANAMO?

CONECTAS EXPLICA AJUDA HUMANITÁRIA NA SÍRIA

A teoria da mútua destruição assegurada pode servir para explicar a Coreia do Norte neste momento. Não entendo de política norte-coreana e, portanto, não posso me arriscar a avaliar quais são as pretensões do regime. Mas posso sim tentar olhar pelo ângulo da lógica, usando um pouco de teoria dos jogos básica.

A Coreia do Norte tem, hoje, a opção de atacar ou não atacar a Coreia do Sul, o Japão ou bases dos EUA. Caso opte pela opção do ataque, certamente será destruída em seguida e o regime se desintegrará. Caso opte pelo status quo, nada acontecerá, como vem ocorrendo nos últimos 60 anos.

Até hoje, nunca dois países com armas nucleares, como a Coreia do Norte, se enfrentaram. A Índia e o Paquistão, que travaram guerras no passado, hoje são muito mais cautelosos entre si. A Guerra Fria nunca esquentou.

Por outro lado, existe a chance de erro de cálculo. Na história recente, vimos três episódios. Primeiro, com a Argentina nas Malvinas (Falklands). A Junta Militar de Buenos Aires pensou que os EUA ficariam a seu lado, como quase ocorreu. O mesmo se aplica ao Iraque de Saddam Hussein na invasão do Kuwait, também pensando contar com o aval de Washington. E, em 2011, Bashar al Assad, ao iniciar a repressão, imaginou que teria a Turquia a seu lado.

O único cálculo errado que a Coreia do Norte poderia fazer seria pensar que a China ficaria ao seu lado em uma guerra.

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antisemitas e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no  gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios