As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma comparação entre os ditadores Saddam e Fidel

gustavochacra

28 de novembro de 2016 | 13h21

O ditador Saddam Hussein melhorou a educação e a saúde no Iraque. Em 1982, a UNESCO concedeu ao Iraque um prêmio por implementar uma política de educação para tentar erradicar o analfabetismo do país. O número de pessoas alfabetizadas cresceu de 52% para 80% entre 1977 e 87. O líder iraquiano também aumentou em cerca de 30% o número de estudantes na área primária. Construiu e ampliou universidades públicas. O total de universitários entre 1968 e 1980 dobrou.

Uma das suas prioridades foi a inclusão de mulheres na educação e também aumentar o direito delas na sociedade iraquiana. Em 1991, conseguiu elevar o número de mulheres para 30% no corpo docente das universidades – pode parecer baixo para padrões ocidentais, mas é gigantesco para o mundo árabe.

Até 1990, 97% da população urbana e 71% da população rural tinha acesso à saúde universal e gratuita na ditadura de Saddam Hussein. O ditador iraquiano investiu pesadamente em faculdades de medicina sofisticadas, como a de Mosul, uma das melhores do Oriente Médio na época, e em hospitais públicos. A mortalidade infantil despencou de 80 por mil habitantes para 40 por mil habitantes de 1974 a 1989 com o programa de saúde pública de Saddam. O líder iraquiano também fez enormes investimentos em infraestrutura, inclusive contratando empreiteiras brasileiras ao longo dos anos 1970 e 80. Para completar, Saddam protegia algumas minorias religiosas, como os cristãos, enquanto perseguia outras.

Saddam atingiu todos estes objetivos apesar de uma sangrenta guerra contra o Irã nos anos 1980, que deixou 1 milhão de mortos. O cenário para o ditador iraquiano começou a piorar a partir da sua frustrada invasão do Kuwait e consequente Guerra do Golfo em 1991. Seu regime foi alvo de sanções internacionais e de um embargo americano. Todos os seus avanços na saúde e educação foram perdidos nos anos seguintes. Em 2003, Saddam foi deposto em invasão americana.

O curioso é que, mesmo nos anos 1980, quando Saddam produzia ótimos resultados na saúde e na educação, ele não era idolatrado por ninguém. Sempre foi visto, corretamente, como um ditador sanguinário que perseguia opositores, censurava a imprensa e eliminava totalmente as liberdades democráticas.

Alguns argumentarão que Saddam usou armas químicas contra curdos. Verdade. Estas ações se intensificaram no fim nos anos 1980 e são condenadas internacionalmente.

Enfim, Saddam sempre foi tratado como ditador independentemente de suas conquistas na área da saúde e da educação e pela redução na desigualdade social e de ter sido alvo de sanções internacionais (no caso, do mundo todo, não apenas um embargo dos EUA). Por este motivo, Fidel Castro, que assumiu o poder em uma Cuba que tinha a terceira renda per capita da América Latina, atrás da Argentina e da Venezuela, também deve ser chamado de ditador apesar de seus avanços na área da saúde e da educação. Ditador é ditador. Sem dúvida Saddam foi mais sanguinário, mas Fidel também foi sanguinário – e convenhamos que o contexto de uma ilha sem divisões sectárias é mais simples do que uma nação no coração do Oriente Médio.

E podem me dizer – “O Saddam tinha apoio dos EUA nos anos 1980”. Verdade. E Cuba tinha da União Soviética. E, convenhamos, os EUA fizeram duas guerras contra Saddam. Fidel, no máximo, foi alvo de uma invasão mal organizada na baía dos Porcos.

E olhem que nem vou entrar na questão de Bashar al Assad, que também garantiu educação e saúde gratuita não apenas para os sírios, como também para refugiados palestinos e iraquianos. Claro, assim como Fidel e Saddam também é sanguinário – embora fosse menos do que os dois antes da Guerra da Síria, em 2011. E, claro, é ditador.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro.  Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram

Tendências: