As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Você acha que é só Israel versus Palestina? Leia este texto

gustavochacra

20 de novembro de 2012 | 12h51

O Hamas é aliado do Egito, da Turquia e do Qatar, mas usa armas iranianas. Na Síria, a oposição usa armas turcas, sauditas e qatarianas para lutar contra o regime de Bashar al Assad, apoiado pelos iranianos. Até um ano atrás, o Hamas tinha como maior suporte no mundo árabe o governo sírio. Hoje são inimigos.

A oposição síria tem dezenas de facções. Algumas no exílio, reconhecidas pela União Europeia. Outras na Síria, que não reconhecem a oposição reconhecida pela União Europeia. São radicais islâmicos. Mas o Exército Livre da Síria, que apesar do nome pomposo é um apanhado de milícias, não reconhece os milicianos radicais islâmicos. Os dois são inimigos e lutariam entre si mesmo se Bashar al Assad caísse.

O Hezbollah, na Síria, é aliado de Assad, um alauíta secular. O grupo xiita, porém, sempre serviu de inspiração para os sunitas do Hamas, na Palestina. Os sunitas do Líbano, por sua vez, se dividem entre os aliados de Damasco, como o premiê Nagib Mikati, e os inimigos de Damasco, liderados pelo ex-premiê Saad Hariri.

Em Damasco, os cristãos apoiam o regime de Assad. Mas um dos líderes da oposição síria no exílio é um cristão marxista. Os cristãos libaneses se dividem entre os que apoiam o Hezbollah, comandados por Michel Aoun, e os que são contra o grupo xiita, comandados por Samir Gaegea. Os  cristãos egípcios, diferentemente dos do Líbano e da Síria, não são elite e sofrem perseguição dos radicais salafistas, que por sinal também integram a oposição síria.

Também havia muitos cristãos no Iraque, os caldeus. Com a guerra, fugiram para a Síria. Com outra guerra, não sabem para onde ir. Os cristãos palestinos são contra o ocupação israelense, mas também discordam do Hamas pela forma como trata as mulheres e pelo radicalismo islâmico. Falando em Iraque, o atual governo, apoiado pelos EUA, é alido do Irã e da Síria, inimigos dos americanos.

Existem ainda os árabes drusos. No Líbano, eles seguem Walid Jumblat, que muda de lado de acordo com a tendência política na região. Na Síria, apoiam Assad. Na Palestina, são contra Israel. Em Israel, são soldados israelenses.

Os curdos têm total autonomia no Iraque e fazem negócios com os turcos. A Turquia e o Irã, porém, perseguem os curdos em seus territórios. A Síria, até pouco tempo atrás, também. Agora, decidiu dar a eles um oásis para lutar contra a Turquia, cujo premiê, maior inimigo de Bashar al Assad, era o maior aliado de Bashar al Assad (não errei, é isso mesmo) até 2010.

O Qatar prega a democracia e a liberdade no mundo árabe ao mesmo tempo que tem uma ditadura e trata as mulheres como cidadãs de segunda classe. O país dono da rede de TV Al Jazeera patrocina milícias extremistas na Síria e apoia abertamente o Hamas. Como a Turquia, que anos atrás era um dos principais parceiros militares de Israel.

Não vou entrar em Tunísia e Líbia para não complicar. Mas tentei em alguns parágrafos mostrar que o Oriente Médio não pode ser resumido a Israel versus Palestina.

Leiam ainda o blog Radar Global. Acompanhem também a página do Inter do Estadão no Facebook

Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

O jornalista Gustavo Chacra, correspondente do jornal “O Estado de S. Paulo” e do portal estadão.com.br em Nova York e nas Nações Unidas desde 2009 e comentarista do programa Globo News Em Pauta, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já fez reportagens do Líbano, Israel, Síria, Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Egito, Turquia, Omã, Emirados Árabes, Iêmen e Chipre quando era correspondente do jornal no Oriente Médio. Participou da cobertura da Guerra de Gaza, Crise em Honduras, Crise Econômica nos EUA e na Argentina, Guerra no Líbano, Terremoto no Haiti, Furacão Sandy, Eleições Americanas e crescimento da Al-Qaeda no Iêmen.  No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires. Este blog foi vencedor do Prêmio Estado de Jornalismo, empatado com o blogueiro Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: