As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Você se lembra de Darfur em tempos de Ucrânia? Por que algumas guerras saem de moda?

gustavochacra

21 de abril de 2014 | 12h04

O conflito da moda, que ainda não pode ser classificado como guerra, é o da Ucrânia. Domina o noticiário e a conversa entre as pessoas ao redor do mundo. A Guerra da Síria permanece na agenda, mas sem o mesmo impacto de meses atrás, após os ataques de armas químicas.

Outros conflitos foram moda por anos, mas, mesmo sem terem terminado, caíram no esquecimento. A Guerra do Iraque perdeu importância com a retirada das tropas americanas, pois se tornou um conflito civil. A Líbia é outra que caiu no esquecimento depois do fim dos bombardeios da OTAN. Mas ter americanos não seria suficiente. A Guerra do Afeganistão, mesmo com a presença de dezenas de milhares de soldados dos EUA, também não repercute mais. E temos ainda Darfur. Alguém se lembra do “Save Darfur”?

Sobram os conflitos que ninguém dá muita bola e jamais entraram na moda. A perseguição aos cristãos na Nigéria, a perseguição aos muçulmanos em Myanmar e República Centro-Africana (neste caso, com risco de genocídio) e os confrontos étnicos no Sudão do Sul e no Congo são alguns exemplos.

Alguns argumentos para uma guerra entrar na moda seriam ou ficar fora seriam

Para estar na moda

. Ocorrer na Europa ou no Oriente Médio (Ucrânia e Síria)

. Eclodir de forma inesperada (Ucrânia)

. Quantidade de mortos (Síria e Iraque no passado)

. Envolvimento dos EUA (Iraque no passado)

. Figura marcante no campo inimigo (Assad na Síria, Kadafi na Líbia e Saddam no Iraque)

. Ter impacto geopolítico global (Síria)

. Presença de jornalistas estrangeiros (Líbano nos anos 1980 e Israel-Palestina)

. Apoio de estrelas de Hollywood (Darfur)

Para sair de moda

. Longa duração (Iraque e Afeganistão)

. Perda do apoio de estrelas de Hollywood

. Retirada dos EUA (Iraque)

. Estabilização do conflito, mesmo sem paz (Afeganistão)

. Passar a ser um conflito local (Iraque)

 Para nunca entrar na moda

. Ocorrer na África ou partes da Ásia distantes do Oriente Médio (Myanmar)

. Não ter envolvimento geopolítico global (Congo)

. Não haver um figura de impacto no conflito (República Centro-Africana)

. Perder o apoio de Hollywood (Darfur)

Apenas comentários do post do dia ou do post prévio serão publicados

Guga Chacra, comentarista de política internacional do Estadão e do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires

Comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a opinião do jornalista

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, na Rádio Estadão, na TV Estadão, no Estadão Noite no tablet, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor), no Instagram e no Google Plus. Escrevam para mim no gugachacra at outlook.com. Leiam também o blog do Ariel Palacios

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.