513 anos depois, Europa volta a descobrir o Brasil

Jamil Chade

08 de dezembro de 2013 | 13h30

GENEBRA – 513 anos depois, a Europa volta a descobrir o Brasil. Desta vez, não se trata de uma expedição portuguesa que se perdeu pelos mares. Mas sim do resultado do sorteio da Copa do Mundo. Desde sexta-feira, jornais, blogs e a diversas tvs europeias estão exibindo reportagens e documentários sobre as cidades que suas seleções passarão na Copa.

Alguns deles chegam a ser insultantes (principalmente para políticos que insistem que suas cidades são as mais belas do mundo), outros divertidos e alguns com muita inteligência. Mas se a Copa era para ser um showroom do Brasil para o mundo e um espelho, ninguém pode negar que está atraindo a curiosidade de muitos para saber onde estarão indo.

No momento em que o sorteio acabou, recebi a ligação de jornalistas suíços com a mesma pergunta: faz calor em Manaus no inverno? Logo depois, escutei um dirigente esportivo na Suíça explicando que o calor de Manaus não atrapalhará, já que os suíços vão se preparar no…Guarujá.

Os comentários sobre as temperaturas no Brasil são as mais populares na imprensa europeia neste fim de semana. Na França, a Slate alerta que o clima e o calendários são as “grandes injustiças” da Copa.

Gérard Houiller, ex-técnico do Lyon e hoje conselheiro da Fifa, ensaiou uma explicação sovre o que é o Brasil. “Aqui, mesmo quando chove, faz calor”. Ele também, junto com dezenas de outros comentaristas, já começou a encontrar desculpas para uma eventual derrota dos europeus. “O Brasil está acostumado com essa situação. Não é por acaso que nenhuma seleção europeia jamais ganhou a Copa na América do Sul”. Talvez tenhamos de lembra-lo que, em 1978, a Copa na Argentina ocorreu no inverno.

A Inglaterra, assustada com Manaus, já pensa em treinar em um lugar com clima similar, mas com um conforto a mais: Miami. Um jornal inglês falou do perigo de se encontrar jacarés. Outro citou o fato de que quartos de hotéis podem ter baratas. Todos alertaram para a questão da segurança. “Não saia no escuro e não use jóias”, orientou um deles.

O alemão Jurgen Klinsmann, técnico dos EUA, admitiu ao Wall Street Journal, que todas as seleções queriam evitar Manaus.

Uma TV russa também apresentou a seus torcedores neste fim de semana a cidade de Cuiabá, onde a seleção da Rússia enfrenta a Coreia do Sul. Numa apresentação simpática da cidade, o comentarista não esqueceu de lembrar que o visitante poderá tirar “fotos de um jaguar”.

Na rede Sky, o alerta era outro: os protestos de rua no Brasil devem voltar a ocorrer durante a Copa. “Os problemas do Brasil não desapareceram”, disse.

Outra descoberta que marcou os espíritos europeus foi a da apresentadora do sorteio, Fernanda Lima. Não foram poucos os comentários.Uma tv alemã ainda perguntou: “Afinal, quem é que caiu no grupo de Fernanda Lima”?

Welcome to Brazil!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.