Às vésperas de ida ao Brasil, papa convoca Igreja a tomar ações concretas para atender pobres

Jamil Chade

21 de julho de 2013 | 07h27

Na praça São Pedro, Papa pede que milhares de fieis orem por sua viagem ao Brasil

CIDADE DO VATICANO- Às vésperas de sua viagem ao Brasil, o papa Francisco pediu neste domingo diante de milhares de fieis na praça São Pedro que “orem” por ele. “Peço que me acompanhe espiritualmente com a oração em minha primeira viagem apostólica que começa amanhã”, declarou.

Mas também deu seu recado do que quer da Igreja e dos fieis: “uma ação concreta de ajuda ao irmão pobre, doente, necessitado de ajuda, em dificuldade”. Segundo ele, sem a ação concreta, a oração é “estéril e incompleta”.

O recado é claro: se a Igreja quer chegar à sociedade e reverter a perda de fieis, não poderá ficar apenas nas sacristias. Uma das metas de Francisco é a de criar um caráter missionário na Igreja, pedindo que religiosos saiam às ruas, seguindo seu exemplo do que fez enquanto era religioso em Buenos Aires e visitava favelas.

No Brasil, essa será uma das principais mensagens aos bispos e cardeais. “Oração e ação estão sempre profundamente unidas”, disse, insistindo na necessidade de uma “serviço concreto ao próximo”. Francisco ainda insistiu para que a Igreja esteja sempre “o mais atenta concretamente à necessidade dos irmãos”.

Segundo ele, porém, ação sem uma base religiosa também não basta. “Prega e atue”, insistiu. Já em sua posse, Francisco deixou claro que não queria ver a Igreja ser transformada em uma ong de caridade, numa referência à necessidade de que as ações tenham como base a “palavra de Cristo”.

Francisco ainda dedicou parte do Angelus à sua viagem ao Brasil. “Como sabem, vou ao Rio de Janeiro, no Brasil, para a 28a Jornada Mundial da Juventude”, disse. “Pedimos a intervenção da beata Virgem Maria, tanto amada e venerada naquele País, nessa nova etapa da grande peregrinação juvenil através do mundo”, completou.

O papa fez questão de declarar todos os próximos dias como “a semana da juventude”. “Os protagonistas serão os jovens”, insistiu. “Eles querem sentir Jesus, escutar Jesus”, completou.

Francisco sugeriu os jovens, tanto em Roma quanto no Rio, que se formulem uma questão. “Façam essa pergunta ao Senhor: qual estrada devo tomar na minha vida? O que devo fazer em minha vida?”.

Amanhã, o voo papal decola de Roma, com 105 passageiros, numa das maiores delegações já enviadas pelo Vaticano em uma viagem apostólica. No sábado, o papa quebrou o protocolo, surpreendeu o Vaticano e decidiu visitar uma Igreja em Roma para também pedir proteção para sua viagem. Ao ver um cartaz na praça São Pedro dizendo “boa viagem”, o papa agradeceu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.