Bayern libera brasileiros. Mas acusa CBF de “terror psicológico”

Jamil Chade

30 Maio 2013 | 09h07

GENEBRA – “Inaceitável e terror psicológico”. É assim que o presidente do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, definiu a pressão colocada pela CBF para que o clube da Alemanha libere Dante e Luiz Gustavo para a seleção. “Essa pressão não é humana e é injusta”, declarou hoje.

Ainda assim, o Bayern anunciou que ficou sem alternatina e aceitou liberar os dois jogadores para a partida contra a Inglaterra no domingo. O Bayern confirma que buscou um acordo amigável com a Fifa, já que queria contar com os jogadores para a final da Copa da Alemanha no sábado. Mas alertou que a CBF já havia ameaçado processar o clube.

Ele justifica que, se os jogadores não fossem liberados, suas carreiras com o time de Scolari estariam “terminadas. “É uma espécie de terror psicológico”, declarou. Eles viajam na noite de hoje, via Frankfurt para o Rio. Segundo o cartola, Dante está com “olhos tristes”. “Ambos estão muito tristes”, disse.

Rummenigge confirmou que Heynckes falou com Scolari, sem resultado. “Os brasileiros estão pressionados. Scolari não ganhou um só jogo”, declarou.