Bayern libera brasileiros. Mas acusa CBF de “terror psicológico”

Jamil Chade

30 de maio de 2013 | 09h07

GENEBRA – “Inaceitável e terror psicológico”. É assim que o presidente do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, definiu a pressão colocada pela CBF para que o clube da Alemanha libere Dante e Luiz Gustavo para a seleção. “Essa pressão não é humana e é injusta”, declarou hoje.

Ainda assim, o Bayern anunciou que ficou sem alternatina e aceitou liberar os dois jogadores para a partida contra a Inglaterra no domingo. O Bayern confirma que buscou um acordo amigável com a Fifa, já que queria contar com os jogadores para a final da Copa da Alemanha no sábado. Mas alertou que a CBF já havia ameaçado processar o clube.

Ele justifica que, se os jogadores não fossem liberados, suas carreiras com o time de Scolari estariam “terminadas. “É uma espécie de terror psicológico”, declarou. Eles viajam na noite de hoje, via Frankfurt para o Rio. Segundo o cartola, Dante está com “olhos tristes”. “Ambos estão muito tristes”, disse.

Rummenigge confirmou que Heynckes falou com Scolari, sem resultado. “Os brasileiros estão pressionados. Scolari não ganhou um só jogo”, declarou.

 

Tendências: