Brasil cai no ranking de sistemas de educação

Jamil Chade

03 de dezembro de 2013 | 08h06

Liderança é dos países asiáticos, segundo o estudo PISA

 

GENEBRA – Os novos resultados da pesquisa sobre os sistemas de educação no mundo apontam que o Brasil ocupa apenas a 58a posição entre 65 economias. O estudo é realizado a cada três anos pela OCDE, em seu projeto conhecido como PISA.

Em 2009, na última edição do estudo que avalia a capacidade de alunos em matemática, o Brasil aparecia na 53a posição. Naquele momento, a liderança era da Coreia do Sul.

Segundo a OCDE, o Brasil é o país que mais avançou nos níveis de educação entre 2003 e 2012. Mas, ainda assim, os níveis continuam abaixo da média dos países ricos e distante das economias asiáticas. Neste ano, a liderança é dos estudantes de Xangai, seguido por Cingapura, Hong Kong e Taiwan. No ranking, os sete primeiros colocados são todos asiáticos.

Países como Grécia, Chile ou Albânia teriam níveis de educação superiores aos do Brasil.

O ranking foi elaborado depois que mais de 500 estudantes pelo mundo passaram por exames preparados especificamente para este estudo da OCDE. No Brasil, 19,8 mil estudantes de até 15 anos foram testados, em 837 escolas.

Mais de 60% dos estudantes brasileiros tiveram um resultado abaixo da média mundial em matemática. Em leitura, 49,2% dos brasileiros apresentaram resultados inferiores à média. 61% dos alunos brasileiros estão também abaixo dos resultados médios mundiais em termos de ciência.

Segundo o estudo, as autoridades brasileiras gastam em média US$ 26 mil por aluno entre seis e 15 anos. O valor é apenas um terço da média que se gasta em países desenvolvidos. Na OCDE, o investimento do estado por estudante é de cerca de US$ 83 mil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.