Chanceler brasileiro cancela sua participação em conferência de paz da Síria

Jamil Chade

20 de janeiro de 2014 | 15h27

Itamaraty vai mandar para Montreux seu número 2. Chanceler ficará em Brasilia para preparar viagem de Dilma Rousseff para Davos 

 

GENEBRA – Para atender à presidente Dilma Rousseff em sua viagem para Davos, o chanceler brasileiro Luiz Alberto Figueiredo Machado cancela sua participação na conferência de paz da Síria que está sendo programada para ocorrer nesta quarta-feira, em Montreux.

O Brasil foi um dos países convidados para o evento que tem como objetivo iniciar um processo de negociação entre o governo e a oposição síria, justamente para colocar um fim à guerra de três anos.

No lugar de Figueiredo, o governo brasileiro enviará o secretário-geral do Itamaraty, embaixador Eduardo dos Santos.

O Estado apurou que o cancelamento da presença do chanceler brasileiro ocorreu por conta de um pedido da presidente Dilma Rousseff para que o ministro permaneça em Brasília para ajuda-la a preparar sua viagem para o Fórum Econômico Mundial de Davos. Essa será a primeira participação de Dilma no evento na estação de esqui.

A participação do Brasil em Montreux estava sendo considerada como um sinal do prestígio internacional do País e havia sido uma proposta que surgiu do governo russo. A meta era de que a reunião contasse não apenas com governos do Oriente Médio, Europa e EUA. Mas que, pela primeira vez, os Brics adotassem um discurso único de apoio a um processo de paz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.