Clubes europeus querem “alugar” jogadores para Copa de 2014

Clubes europeus querem “alugar” jogadores para Copa de 2014

Jamil Chade

14 de setembro de 2012 | 07h19

 

Os grandes clubes europeus querem ficar com uma parte dos lucros gerados pela Copa do Mundo de 2014 no Brasil, considerada a mais milionária da história da Fifa. Os times europeus insistem que sao eles quem pagam salários e tratamentos médicos de jogadores durante quatro anos e, apesar dos lucros do Mundial, o dinheiro é distribuído apenas para seleçoes e para a Fifa. Agora, os clubes querem cobrar um maior “aluguel” por liberar os jogadores para as seleçoes até a Copa no Brasil.

A entidade máxima do futebol já havia inaugurado um fundo de compensaçao para clubes na Copa de 2010. Na ocasiçao, distribuiu US$ 38 milhoes aos clubes. Para 2014, o próprio presidente Joseph Blatter indicou que estava disposto a elevar o fundo para US$ 70 milhoes. Mas os clubes consideram ainda o volume insuficiente e que nao corresponde com a receita de US$ 3,8 bilhoes que a Fifa espera ter no Brasil.

Karl Heinz Rummenigge, presidente da Associaçao de Clubes Europeus, confirmou ao Estado que uma negociaçao com a Fifa está ocorrendo nesta semana e que, em breve, uma soluçao deve ser anunciada. “Por anos vimos apenas parte do futebol ganhar com esses torneios. Estamos contentes que, pouco a pouco, nossa reivindicaçao está sendo escutada e que os dirigentes estao entendendo que os clubes sao parte da base do futebol”, disse o alemao.

Sobre o valor final da compensaçao, Rummenigge nao nega que quer ver um volume maior de dinheiro. “Estamos em intensas negociaçoes. Vamos ver qual será o resultado”, disse.

Se o acordo acabar sendo fechado, quem também ganhará sao os clubes brasileiros e sul-americanos que liberarem jogadores para o Mundial. Em 2010, quem mais recebeu por “alugar” seus craques às seleçoes foi o Barcelona, que ficou com US$ 866 mil por ceder seus jogadores a diferentes seleçoes. Já todos os clubes brasileiros que emprestaram seus jogadores para a Copa ganharam apenas um terço do valor destinado ao time catalao.

A Fifa acabou pagando as compensaçoes para 400 clubes de 55 países pelo “aluguel” de 736 jogadores. Mais da metade do dinheiro, porém, foi exatamente para a Europa, onde estao os craques. Quem mais recebeu dinheiro foi a Liga Inglesa, com quase US$ 6 milhoes. Os clubes alemaes vieram na segunda posicao, com US$ 4,7 milhoes. Os italianos receberam US$ 3,8 milhoes, contra US$ 3,6 milhoes para a campea Espanha.

Só na 25ª posiçao veio a CBF. No total, foram pagos US$ 298,8 mil que seriam distribuidos aos clubes brasileiros que tiveram jogadores na Copa.

Mas a nova pressao dos clubes europeus  vem no momento em que a Uefa anunciou que distribuirá 100 milhoes de euros entre os times por terem liberado seus jogadores para disputar com as selecoes a Eurocopa neste ano. Trata-se da maior redistribuiçao de renda originada por seleçoes nacionais a clubes.

No total, 575 clubes europeus terao sua parte do bolo que, até hoje ficava apenas com as federaçoes. O Bayern de Munique receberá 3 milhoes de euros, contra 2,9 milhoes de euros para o Real Madrid. Os clubes conseguiram ser indenizados nao apenas pela liberacao de jogadores para o torneio, mas também para os jogos classificatórios. Nao por acaso, compensacoes pela atuaçao de 1,9 mil atletas foram pagas.

O acordo é resultado de uma velha briga de clubes, que insistem que sao eles quem pagam salários aos jogadores e os mantem. Para chegar a um acordo de paz com as selecoes, a estratégia encontrada pela Uefa foi a de repartir com os clubes os lucros obtidos com os torneios.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.