E se a China comprasse a Europa…

E se a China comprasse a Europa…

Jamil Chade

07 de junho de 2012 | 06h04

Em plena crise europeia, os investimentos da China no Velho Continente triplicam em apenas um ano. Dados da consultoria Rhodium Group indicam que, em 2011, empresas chinesas aplicaram US$ 10 bilhões no bloco europeu. Segundo o estudo, porém, isso poderia ser apenas o início de uma expansão. Em 2020, os chineses poderiam investir até US$ 500 bilhões apenas na Europa.

De produções vinícolas na França, empresa de energia em Portugal, aos famosos taxis de Londres, os chineses já deixaram claro que estão dispostos a avaliar oportunidades de negócios na Europa, principalmente diante da desvalorização dos ativos europeus.

Nos próximos anos, a atenção das empresas chinesas estarão focadas na indústria europeia e principalmente no setor de inovação. Entre 2004 e 2008, a China investiu apenas US$ 1 bilhão por ano na Europa. Em 2010, o volume chegava a US$ 3 bilhões.

Com reservas de US$ 3,2 trilhões, a China espera garantir que a próxima década seja a de expansão das empresas locais para o exterior. A Europa, segundo a consultoria, receberia um quarto de investimentos globais que chegariam a US$ 2 trilhões até 2020.

Os gregos, espanhóis e vários outros no Velho Continente agradecem…Em apenas um ano, mais de 200 bilhões de euros em investimentos e ativos foram retirados desses países, diante dos temores de um colapso. Para os chineses, um momento ideal para investir.