Chanceler brasileiro evita falar de Pizzolato

Jamil Chade

18 de novembro de 2013 | 14h47

GENEBRA – O chefe da diplomacia brasileira, Luiz Alberto Figueiredo, evitou hoje tocar no assunto da fuga do brasileiro Henrique Pizzolato, condenado por seu envolvimento no caso do Mensalão e que fugiu para a Itália para não ser preso no Brasil. O ministro de Relações Exteriores, porém, deixou claro que o Itamaraty por enquanto não se envolveria no assunto.

O chanceler está a caminho de Moscou. Apesar disso, ele garante que não falou com caso de Pizzolato com as autoridades italianas. “É cedo para comentar”, disse o ministro em declarações à Ansa.

“Ainda é segunda-feira”, justificou. Segundo ele, “ainda não” foram realizadas consultas sobre um pedido de extradição.

“O tema está sendo acompanhado pelo Ministério da Justiça”, justificou Figueiredo. Pizzolato foi o diretor de marketing do Banco do Brasil e foi condenado a mais de 12 anos de prisão.