FIFA ADMITE “PRECONCEITO” DE SEUS ADVOGADOS E PEDE “DESCULPAS”

Jamil Chade

13 de julho de 2012 | 18h39

A Fifa admitiu que seus advogados foram “preconceituosos” ao declararem ao tribunal de Zug que a “maioria da população” de países da América do Sul e África recebe subornos como parte de seus salários. A entidade, em nota divulgada hoje, pediu “desculpas”, mais de dois anos depois do incidente e só depois que o caso foi exposto pela imprensa.

As declarações foram reveladas por este blog na última quinta-feira. Nos documentos da Justiça suíça que revelaram o pagamento de subornos a Ricardo Teixeira e João Havelange no valor de R$ 45 milhões, advogados da Fifa abertamente defendiam os dois brasileiros. Num esforço de justificar que seria difíci receber o dinheiro de volta, os advogados explicaram ao juiz que, na América do Sul, todos recebem subornos.

Hoje, já tentando abafar o caso antes que se transformasse em outro ponto de polêmica com o Brasil, a Fifa se apressou em explicar que o argumento foi apresentado por seus advogados externos, contratados por ela. Mas tentando se distanciar dos fatos.

Segundo a Fifa, a visão não era dela, e sim de seus consultores jurídicos. “A Fifa repudia esses comentários preconceituosos e pede desculpas pelas palavras usadas por esse consultor jurídico externo”, diz a nota.

Ah, bom. Se a Fifa pediu desculpas, quem somos nós para não perdoar. Só faltou explicar quem é que contratou esses advogados…Mas isso fica para uma próxima. Blatter tem coisas mais importantes para fazer nesses dias: responder qual foi seu papel no amplo esquema de corrupção que permeou a entidade enquanto ele foi seu secretário-geral.  Boa sorte.