Lula vai receber prêmio de R$ 215 mil do falido governo da Catalunha

Lula vai receber prêmio de R$ 215 mil do falido governo da Catalunha

Jamil Chade

11 de dezembro de 2012 | 11h55

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva receberá um cheque de R$ 215 mil do falido governo da Catalunha na quinta-feira, como parte do prêmio que ganhou por conta de sua política social e “crescimento justo”.

A informaçao sobre o valor da premiaçao foi divulgada em um comunicado oficial do governo catalao, anunciando o evento que marca a entrega do Premi Internacional Catalunya.

Em abril, quando o Instituto Lula anunciou que o ex-presidente havia sido o escolhido para receber o prêmio neste ano, nenhuma informaçao sobre os valores do cheque foi divulgada.

No comunicado em português, o Instituto apenas citava que o júri, presidido pelo escritor e filósofo Xavier Rubert de Ventós, “elogiou a política adotada por Lula a serviço de um crescimento econômico justo, que colocou seu país à frente da globalização e favoreceu uma divisão mais justa da riqueza e das oportunidades”.

O prêmio é destinado a pessoas que tenham contribuído com o desenvolvimento de valores culturais, científicos ou humanos. 177 nomes foram indicados e Lula venceu por unanimidade.

O comunicado do Instituto Lula também cita uma carta enviada por Lula ao presidente catalão Artur Mas. Segundo o ex-presidente, a decisão do júri “reforça a amizade e a solidariedade entre nossos povos”. As informaçoes também apontavam que, além de Lula, personalidades como Jimmy Carter, Vaclav Havel, Claude Lévi-Strauss e Aung San Suu Kyi já haviam recebido a mesma premiaçao no passado.

Já o governo de Barcelona, em seu informe à imprensa local, indicou que, além de peça de arte, Lula levará 80 mil euros. A primeira vez que o valor é citado foi em abril, no mesmo dia do comunicado em português. Ontem, o valor voltou a ser citado no novo comunicado em catalao.

A Catalunha vive dias de turbulência. Além do debate em torno de uma eventual independência, o governo local foi obrigado a pedir um resgate de Madri diante de dìvidas que já nao pode honrar.

Mas foi obrigado a cortar de forma drástica o orçamento para a Saúde, reduziu salários e aumentou o número de horas de trabalho. Barcelona, nas últimas semanas, tem já se acostumado com as repetidas manifestaçoes nas ruas, por parte de diferentes grupos afetados pela crise. Na Espanha, 25% da populaçao nao tem trabalho. 56% dos jovens estao desempregados.

A cerimônia para a entrega do prêmio está marcada para a ocorrer na sala Sant Jordi do Palau de la Generalitat, na quinta-feira.