Na Suíça, até a defesa aérea tem hora marcada

Na Suíça, até a defesa aérea tem hora marcada

Jamil Chade

18 de fevereiro de 2014 | 11h51

Força Aérea justificou que não enviou caças do país para monitorar avião sequestrado na segunda-feira por que o jato vindo da Etiópia voava fora do “horário comercial”. 

 

GENEBRA – Qual é a melhor hora para invadir a Suíça? A pergunta parece descabida. Mas, nesta semana, a população do país alpino conhecido por seus relógios descobriu que sua aviação militar não está à disposição para defender o território nacional 24 horas por dia.

Na segunda-feira, pouco antes das 4.30 am do horário de Genebra, as autoridades suíças foram informadas que um avião comercial da Etiópia havia sido sequestrado e queria pousar no país. A reação dos suíços foi imediata: entraram em contato com militares franceses e italianos que, imediatamente, enviaram seus caças para acompanhar o avião sequestrado.

Mas a pergunta que todos fizeram foi lógica: se o avião queria pousar na Suíça e se já estava no espaço aéreo do país, qual foi a razão de os militares do país conhecido por sua neutralidade terem apelado a “forças estrangeiras”?

A resposta foi dada pelos militares suíços com uma tranquilidade assustadora: a aviação suíça não decolou por que simplesmente trabalha apenas no horário comercial. Das 8 ao meio dia e da 13.30 as 17h. Isso com o direito a uma hora e meia de almoço para os pilotos de caça.

“Não temos meios de assegurar um serviço de 24 horas”, justificou Laurent Savary, o porta-voz das Forças Aéreas. Ele garantiu, porém, que os radares continuam funcionando mesmo fora do expediente e que o governo está elaborando um novo plano estratégico para evitar essas lacunas na defesa. O programa vai ser implementado em…2020.

Os suíços sabem que é sua neutralidade seu maior escudo de proteção. Não é de hoje que o país tem conseguido evitar invasões, mesmo tendo como vizinho por diversos anos um certo Adolf Hitler. Mas os mais cínicos aqui não perdem a oportunidade para uma piada: a aviação civil pode não trabalhar 24 horas por dia. Mas os banqueiros e suas contas secretas sim.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.