Negociação por Neymar envolveu até Platini e Valcke

Jamil Chade

25 Maio 2013 | 09h37

LONDRES – Na madrugada londrina, a transferência de Neymar para a Espanha acabou envolvendo até mesmo o presidente da Uefa, Michel Platini, e o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke. Isso porque o Real Madrid, em uma ofensiva para impedir o contrato entre o jogador brasileiro e o Barcelona, optou por buscar apoio entre os investidores do jogador. O time catalão reagiu buscando orientação dos principais cartolas mundiais para impedir o negócio.

Fontes do Barcelona confirmaram ao Estado que a família de Neymar e o próprio jogador já teriam demonstradointeresse em jogar no time de Messi, inclusive por contar com um pré-contrato avaliado em 10 milhões de euros.

A estratégia do Real Madrid foi a de buscar convencer não a família, mas os investidores de que ganhariam mais oferecendo o jogador ao time de Florentino Perez. No total, o time de Madri ofereceria 140 milhões pelo jogador, superando os gastos que tiveram co Cristiano Ronaldo. O salário seria de 10 milhões de euros por ano, superior aos 7 milhões de euros do Barça.

Temendo ver o contrato escapar entre os dedos, a direção do Barça fez uma verdadeira ofensiva política e legal. O presidente do Barça, Sandro Rosell, estava em Londres para as reuniões da Uefa e para a final da Liga dos Campeões.

No luxuoso hotel no centro de Londres, abandonou toda sua agenda para cuidar exclusivamente do caso do brasileiro.

O argumento do Barça era de que, ao negociar com os agentes da DIS – o fundo que tem parte do passe de Neymar – o Real Madrid poderia estar criando uma polêmica jurídica internacional.

Rosell recebeu de Platini uma garantia de que acordos devem ser negociadores entre os clubes, e não com os investidores. Valcke ainda teria declarado ao dirigente catalão que, se o Barça fechasse um acordo com o Santos, isso seria já suficiente para a Fifa reconhecer a transferência.

Com o apoio legal e político, o Barça pressionou os investidores a aceitar a transferência e alertou que, caso optassem por outra via, processos legais seriam lançados e que uma derrota significaria que não teriam qualquer lucro com a venda.

Neymar insiste que está avaliando a situação e que deve responder nos próximos dias. Mas, em Londres, a cúpula do Barça já comemorava e insistia que o acordo está assinado. O Barcelona acredita que o anúncio ocorrerá no domingo, após o jogo do Santos pelo Campeonato Brasileiro.

O Barça quer sua apresentação no início de junho, antes da Copa das Confederações. Uma negociação com o técnico Luis Felipe Scolari já estaria ocorrendo. Ao deixar Londres às pressas para Barcelona, Rosell confirmou aos meios espanhois: “é uma grande contratação”.