Nova prefeita acabará com carros oficiais para políticos

Jamil Chade

26 de maio de 2015 | 05h17

GENEBRA – A Espanha viveu um pequeno terremoto este fim de semana, com a vitória de grupos que por anos ocuparam praças e protestaram contra a austeridade. Agora, eles chegaram ao poder, pelo menos nas eleições locais.

Um dos símbolos dessa luta é Ada Colau, de 41 anos. Sua “carreira” política se confunde com a crise espanhola desde 2008. Ela foi uma das pessoas que liderou o movimento social que tentava impedir que pessoas fossem desalojadas de suas casas por bancos, conhecida como PAH. Chegou a ser detida pela polícia e chamou políticos tradicionais de “criminosos”.

Agora, ela será a primeira prefeita da história da cidade catalã. E seu plano de governo, com claras tendências de esquerda, pode ser um terremoto para uma classe política acostumada a privilégios.

Entre as medidas sugeridas, ela propõe o fim dos carros oficiais para as autoridades. Quem quiser ir de carro ao trabalho, que use o seu. Ou ainda, que usem o transporte público.

Ela também estabeleceu um teto para seu próprio salário: 2,2 mil euros.

Outra medida será a de limitar os gastos públicos com viagens de funcionários da prefeitura, diárias e ainda publicar no site oficial todas as minutas de todas as reuniões do governo municipal.

Ah se a moda pega…