O erro histórico que abre a nova fase no futebol

O erro histórico que abre a nova fase no futebol

Jamil Chade

28 de setembro de 2012 | 15h32

ZURIQUE – Autor de um erro que entrou para a história do futebol, o ex-juiz uruguaio Jorge Larrionda defende a adoção imediata de tecnologia no futebol e alerta que, diante da velocidade do futebol, o “fator humano” já não é suficiente para apitar.

No jogo que apitava na Copa de 2010, Larrionda não deu um gol legítimo da Inglaterra contra a Alemanha. A bola bateu no travessão e entrou. Mas ele não viu. “Foi um momento muito difícil. Foi muito duro”, comentou o árbitro nesta semana em Zurique a um grupo de jornalistas em relação ao seu erro. “Joseph Blatter esteve comigo e expressou o que sentiu naquele momento. Foi muito duro o que senti”, declarou.

Seu erro, porém, abriu as portas para a introdção da tecnologia no futebol. “Ficou claro que há casos que estão além do fator humano. A introdução da tecnologia será uma evolução para o árbitro”, disse.

No Mundial de Clubes no final do ano, a Fifa irá inaugurar o uso de um sistema para detectar se a bola cruzou ou não a linha do gol. Se tudo correr bem, a Copa das Confederações no Brasil em 2013 e a Copa do Mundo de 2014 terão a mesma tecnologia.

“A tecnologia é usada hoje para fabricar as bolas, para os campos, para os clubes. Só os árbitros não tinham. Nós temos que proteger o futebol. A credibilidade do futebol pode ser afetada”, disse. “O futebol está mais veloz, mais rápido. O fator humano não é mais suficiente (para apitar)”, afirmou.

Para ele, a introdução da tecnologia vai tirar a pressão dos árbitros e ve seu erro como um fator que ajudou os cartolas a entenderem o problema. “Arbitros são esportistas e precisam conviver com o erro. Mas o que ocorreu em 2010 foi importante para que o mundo reagisse e reconhecesse que a habilidade humana já não resolve situações”, declarou.

Duas tecnologias foram aprovadas: uma com chip na bola e sensor, e a outra com câmeras para identificar se a bola entrou.

Não sei se a introdução da nova tecnologia teria ocorrido se o jogo fosse menos significativo….ou se a Inglaterra tivesse sido favorecida no final. Mas a verdade é que essa é a história e agora é aguardar pelos novos capítulos. Nas mesas de bar, outras polêmicas terão de ser encontradas para animar os debates. Mas polêmicas não faltam ao futebol…

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.