O FUTEBOL BRASILEIRO ESTÁ SEM RUMO

O FUTEBOL BRASILEIRO ESTÁ SEM RUMO

Jamil Chade

24 de março de 2012 | 21h30

NYON – O futebol brasileiro « perdeu o rumo »e, da forma que está, dificilmente terá qualquer chance de vencer a Copa do Mundo de 2014 em sua própria casa. O alerta é de Paul Breitner, ex-craque alemão e que viajou ao Brasil com uma delegação oficial do governo da Bavaria para avaliar opções de cooperação entre os dois países.

Antes de embarcar ao Brasil, conversei com o ex-craque e confesso que me surpreendi com sua franqueza. Enquanto tomávamos um café na sofisticada sede da Uefa, Breitner relembrava seus momentos de jogador e falava de sua função como embaixador da Liga dos Campeões da Europa. Mas deixou claro que, mesmo na Europa, está acompanhando de perto o que ocorre com a seleção de Mano Menezes e o próprio futebol brasileiro.

«Há uns quatro anos, o Brasil se perdeu », lançou, logo de cara. « O futebol brasileiro perdeu seu rumo e a realidade é que até hoje não o encontrou mais. É triste, mas é a realidade e as pessoas envolvidas com o futebol no Brasil precisam reconhecer isso », declarou.

 

Sua avaliação é de que, ao tentar imitar o futebol mais físico da Europa, durante a gestão do técnico Dunga, o Brasil « perdeu seu caráter ». « Isso tudo ainda ocorreu justamente num momento que o futebol força já não dava mais o resultado que se esperava », disse.

« O futebol brasileiro está em uma crise. Passa por um momento crítico e agora precisa encontrar um novo modelo de jogo. O que praticava há décadas com seus grandes astros do passado já não existe. O que foi adotado nos últimos anos para se adequar à força física já não da resultado. A realidade é que o futebol mundial mudou e o Brasil não se deu conta disso”, afirmou.
Breitner, campeão europeu pela Alemanha em 1972 e campeão Mundial em 1974, não disfarça a preocupação em relação ao desempenho do Brasil na Copa de 2014 em casa. «Da forma que está, será muito difícil vencer o Mundial », disse, o jogador que fez o primeiro gol da final da Copa de 1974 contra a Holanda.

 

O alemão é ainda, ao lado de Pelé, Vavá e Zidane, um dos quatro jogadores do mundo a marcar gols em duas finais de Copa. Além do gol em 1974, Breitner marcaria mais um na final de 1982, vencida pela Itália.

 

Breitner tem sua receita. Ele estima que o Brasil precisa recuperar seu caráter no futebol. Mas adapta-lo aos novos tempos. « Um modelo para o Brasil poderia ser o atual time Barcelona, talvez um dos melhores times da história”, explicou. “Jogadores brasileiros tem características similares aos do Barça. Mas precisam entender a nova movimentação que foi criada e o jogo coletivo, que é algo que na Alemanha já um padrão »,disse.

« O futuro do futebol não é o que o Brasil está apresentando em campo. É o que o Barça oferece », concluiu. Só falta encontrarmos um Lionel Messi.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.