O LEGADO DE TEIXEIRA

Jamil Chade

09 de maio de 2012 | 12h07

ZURIQUE – Em 2007, no lobby do arrogante Hotel Baur au Lac de Zurique, o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, chamou-me em uma mesa e apresentou os livros que explicavam à Fifa o que seria a Copa do Mundo no Brasil, distantes sete anos mais tarde.

Sim, naquele tempo Teixeira ainda falava comigo, ainda que para me chamar usasse um forma bem perculiar: “Ô Estadão!”. Foi o tempo também em que contava com Romário ao seu lado e o levou naquele dia à Fifa para dar apoio ao projeto. Hoje, o deputado Romário tem uma outra posição.

Lembro-me bem das palavras do ex-cartola de insistir em dar garantias de que a grande vantagem do projeto era de que ele seria inteiramente financiado pelo setor privado e que a Copa seria, acima de tudo, um empreendimento sem gastos do estado.

Três anos depois, o primeiro tropeço: o governo teria de entrar com recursos para permitir que os estádios ficassem prontos. “Deus Salve o BNDES”, deveria ser o logo da Copa. Lula foi além da abertura das torneiras e fez parte das negociações para que o Itaquerão se transformasse em realidade.

Nesta semana, o prego no caixão do projeto de uma “Copa Privada” acabou de vez. Não apenas o dinheiro já vem do estado, como agora o governo assume a condução da preparação. Essa é a segunda vez que a Fifa recorre ao governo. A primeira foi na África do Sul, aquela outra Copa que todos temiam que não ficaria pronta, lembram….

Ontem, a Fifa decidiu que o Comitê Organizador Local passaria a ter a presença de um membro do governo, o secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, que destoa da cartolagem que passou anos em reuniões na Fifa e CBF.

Formado na Georgetown University, ex-vice-ministro de Ciência e Tecnologia, professor da PUC-Rio e acadêmico reconhecido na Europa, Fernandes recebe o “legado” de Teixeira com apenas uma função: transformar o caos que vive a preparação para o maior torneio esportivo do Mundo em um evento de promoção de uma nova imagem de sofisticação do País no exterior. Terá 25 meses para isso. Vai precisar de ajuda…e sorte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.