Para Casa Branca, esquerda brasileira se decepcionou com Fidel Castro

Jamil Chade

05 de março de 2012 | 17h14

ESPECIAL: Bastidores da Ditadura no Brasil

Documentos do arquivo diplomático suíço revelam que o governo americano apostava suas fichas em uma perda de influência da revolução cubana na América Latina já em meados dos anos 60.

Em encontro entre Lincoln Gordon no dia 6 de julho de 1966  e o enviado suíço Felix Schnyder, embaixador em Washington, o americano insistia que  “esquerda brasileira” havia se decepcionado com Fidel e reconhecido que ele não passava de um « fantoche » da então União Soviética na disputa travada entre as duas superpotências no quadro da Guerra Fria.  

As revelações fazem parte dos arquivos diplomáticos suíços, num telegrama enviado pelo próprio Schnyder no dia 7 de julho de 1966 a seus superiores em Berna.

Naquele momento, Gordon era o sub-secretário de Estado norte-americano, posto que ganhou depois de ter sido o embaixador americano no Brasil justamente no ano do Golpe.

Para o americano, o que minou o prestígio dos cubanos na América Latina e no Brasil foi o episódio da crise dos mísseis, em 1962, um dos momentos de maior tensão na Guerra Fria. “Eu estava no Brasil nesse momento”, disse o americano ao enviado suíço. “Eu pude constatar como a esquerda brasileira ficou consternada (dismayed) de ver que Castro era apenas um fantoche nas mãos de Nikita Khrushchev e que ele (o russo) havia retirado os mísseis de Cuba sem consultar a Castro », disse.

Segundo Gordon, outro « golpe no prestígio de Castro foi o desaparecimento de Che Guevara ». Naquele momento, o sub-secretário de Estado norte-americano mantinha a percepção de que seu desaparecimento era ainda um mistério. Mas sua avaliação pessoal era de que o argentino estava morto « ou preso em um instituto psiquiátrico ».

ORIGINAL DO DOCUMENTO:

Archives:  Schweizerisches Bundesarchiv, Bern (CH-BAR)
Cote:  E 2300-01(-)1973/156/10
Nouvelle cote:  E2300-01#1973/156#71*
Titre dossier:  Washington (Berichte, Briefe)
Période:  1966–1966
Numéro de référence des archives:  A.21.31

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.