Pela 1a vez desde 2008, gastos de Natal na Europa vão aumentar

Pela 1a vez desde 2008, gastos de Natal na Europa vão aumentar

Jamil Chade

07 de novembro de 2013 | 07h20

Mas Papai Noel grego, português e italiano ainda terá corte de verbas

 

GENEBRA – Os elfos que trabalham para Papai Noel, principalmente nas fábricas na China, terão mais trabalho neste ano. Pela primeira vez desde o Natal de 2008, as famílias europeias vão elevar seus gastos para as festas de fim de ano.

Dados divulgados por uma pesquisa da Deloitte hoje apontam que, em média, cada família europeia gastará 450 euros no Natal, entre presentes e festas. Mas as famílias gregas, italianas, portuguesas e francesas continuarão a reduzir a verba do Papai Noel.

O dado é mais um sinal de que o fundo do poço da crise da Europa já teria sido atingido. Mas, de acordo com governos e investidores, não há qualquer certeza ainda de que o fim da recessão signifique que um crescimento robusto será registrado. Para 2014, a Comissão Europeia estima que o bloco voltará a crescer.

Em média, os gastos dos europeus com o Natal aumentarão em 0,7% neste ano. Quem comemora são os chineses, os maiores exportadores de itens de Natal e brinquedos do mundo. Os mais irônicos na Europa apontam que, nos últimos anos, Papai Noel se mudou do norte da Finlândia para as zonas exportadoras da China.

As maiores altas nos gastos serão registrada na Suíça, onde o Bom Velhinho terá um orçamento 3% superior a 2012. Na Alemanha, famílias destinarão para o Natal um orçamento médio de 6,7% acima do que gastaram em 2012. Apesar disso, os alemães continuam dando provas de rejeitar um consumismo exacerbado. Em médias, os gastos ficarão abaixo da média europeia, com apenas 399 euros.

Quem promete mais gastar são os cidadãos de Luxemburgo, com orçamento previsto de 825 euros, 0,2% acima do montante de 2012. Na Finlândia, o valor chega a 692 euros.

Italianos e gregos ainda verão uma contração acentuada de seus gastos. Mas, na Espanha, pela primeira vez em cinco anos, haverá uma alta, de 1%. Em 2012, as famílias espanholas reduziram seus orçamentos para as festas em 4%.

A grande surpresa é a situação da França. Temendo a crise, uma queda no poder de compra e o desemprego, as famílias francesas gastarão 0,9% a menos que em 2012. 44% dos entrevistados indicaram que esperam que seu poder de compra seja reduzido em 2014.

 

Tendências: