Rússia destrói computadores usados na campanha para sediar Copa 2018

Jamil Chade

10 de junho de 2015 | 18h24

GENEBRA – O Kremlin e a Fifa garantem que não houve compra de votos para a escolha da Copa de 2018. Mas só se esquecem de contar um detalhe: antes de a investigação começar, os russos destruíram todos os computadores que foram utilizados na campanha do país para ser escolhido como sede.

No ano passado, uma investigação interna da Fifa indicou que, de fato, os russos não tinham colaborado de forma exemplar com o processo de apuração. Moscou alegou que seu sistema informático “limpou” todos os emails entre os cartolas e dirigentes. Uma primeira busca ocorreu na sede da campanha da Rússia.

Ali, os investigadores foram informados que os computadores usados haviam sido alugados de uma empresa de tecnologia, justamente para os anos da campanha em busca de apoios.

Ao chegarem à empresa de tecnologia em busca dos computadores, os investigadores foram informados pelos executivos que, lamentavelmente, todos os aparelhos haviam sido destruídos e que não existia mais prova de nada.

Agora, a Justiça da Suíça e dos EUA estão debruçados sobre o caso. Mas a Fifa continua insistindo que não existe risco de a Copa deixar a Rússia. Por algo será.