Separatismo na Europa: o valor da independência.

Jamil Chade

29 de outubro de 2012 | 06h42

Os movimentos separatistas ganharam nos últimos meses uma nova dimensão na Europa. A Catalunha realizou sua maior manifestação pró-independência desde a volta da democracia na Espanha nos anos 70. No País Basco, as eleições da semana passada resultaram num controle do Parlamento local por partidos pró-independência que o ETA, com suas armas, jamais teria obtido. Na Escócia, depois de 300 anos adormecido, o movimento separatista voltou a ganhar força e conseguiu arrancar de Londres um compromisso de que, em 2014, um referendo será realizado.

Mas, olhando para as pesquisas de opinião, uma coisa fica claro: não é a vontade de se separar de Londres ou ter um passaporte escocês e nem mesmo proclamar a auto-determinação que está sendo determinante. Hoje, o apoio ao movimento separatista escocês chega a apenas 32% da população.

Uma entidade de pesquisa decidiu modificar a forma de questionar a população sobre o assunto e descobriu algo curioso. A pergunta feita não foi a tradicional “Você votaria sim pela independência da Escócia…”. No lugar dela, os instituto a substituiu por: “Se a independência resultasse numa renda de 500 libras esterlinas a mais por ano, você seria a favor ou contra…”

65% responderam que se esse for o caso, são favoráveis ao movimento separatista.

Diante da crise econômica que faz a a Europa repensar seus próprios caminhos, o partidos que defendem a independência sabem que não podem e nem devem basear suas campanhas em símbolos do passado, na importância de William Wallace ou ficar colocando o filme Braveheart na publicidade do referendo.

Não por acaso, o líder do movimento separatista, Alex Salmond, insiste que, sem Londres, a Escócia seria o sexto país mais rico da Europa em termos de PIB per capta, conta que muitos analistas discordam.

Curioso é que essa independência, se ocorrer, virá permeada de limitações financeiras para a Escócia. A primeira delas se refere à moeda que irá utilizar. Por anos, o movimento separatista deixou claro que abandonaria a libra esterlina e pediria para se unir ao euro. O problema é que, hoje, com a crise do euro, Salmond não poderia vender aos escocesses a idéia de se unir a uma moeda em plena crise existencial.

A opção foi a de anunciar que, se independente, a Escócia adotará….a libra esterlina e que o BC inglês será o seu também.

O problema, nesse caso, é que Londres precisa concordar com isso. Caso contrário, a Escócia corre o risco de se trasformar num país que tem uma moeda estrangeira com seu padrão, mas controle algum sobre quem emite a moeda, sobre quem determina as taxas de juros, o controle sobre os bancos e toda a política monetária. Enfim, uma independência que não passaria de uma ficção, pelo menos em termos econômicos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.