Nas últimas semanas..

Estadão

08 de outubro de 2009 | 23h38

Provas! Sim, é época de midterms aqui no MIT.

Eu realmente não acreditava, mas a faculdade realmente é bem diferente da escola. Aqui, a maioria das aulas significa horas de estudo mais tarde, não só para as provas, mas também para os Psets.

Nessas últimas semanas, sofri com uma decisão ruim. Nesse semestre, eu havia escolhido fazer a classe Cálculo com Teoria, apesar de muitos upperclassmen me aconselharem a não fazer. Nessa classe, o objetivo é fazer provas rigorosas a respeito de Cálculo, ou seja, o aluno aprende toda a base teórica, mas não exatamente como computar integrais e derivadas. Essa é uma boa classe para as pessoas que pretendem se graduar em Matemática, pois dá uma boa base em vários conceitos importantes. No entanto, essa classe pode parecer meio esquisita para quem pretende fazer um major em Ciência, por que não ensina o cálculo aplicável. E foi assim que eu decidi sair da classe (o que aqui chamam de “drop”) e entrar na de Cálculo 1 normal. Foi em uma quinta-feira que eu adicionei essa classe e logo na sexta haveria um exame. Pois bem, fiz o exame e decidi que aquela também não era uma classe boa para mim, por que eu já havia aprendido a primeira parte do curso. Por isso, decidi mudar para 18.01A , uma classe que passa a primeira parte de cálculo 1 mais rápido e termina no meio do semestre, para que cálculo 2 comece e dure até o fim de janeiro.

Depois de finalmente decidir o que eu iria fazer, descobri que havia uma prova para a admissão em 18.01A , que cobria exatamente o conteúdo inicial de cálculo. E foi assim que no sábado de tarde eu consegui a permissão do professor para fazer a prova no domingo de manhã. E claro, sábado de tarde eu comecei a fazer toda a revisão (e aprendizado) da matéria. Felizmente, consegui passar na prova e me registrar na classe. Mas o problema é que, depois de adicionar a classe na segunda feira, descobri que haveria um exame na quinta feira, ou seja, eu teria que aprender toda a matéria de duas semanas e meia o curso. Realmente não foi legal tentar estudar tudo isso e fazer os três nada pequenos psets. E foi assim que se passaram minhas primeiras noites muito mal dormidas aqui no MIT.

Obviamente, isso não pode dar certo. Depois de passar os 3 dias a base de café e energéticos, ficar bem nervosa e, claro, não ter tido tempo de passar pela matéria toda as minhas chances de passar na prova tendiam a zero. E bem, foi isso que aconteceu. Não foi muito bom não ter passado na prova, mas eu pelo menos consegui superar o fato e ver que não era bem o fim do mundo, especialmente levando em consideração toda a situação. A conseqüência de não ter passado essa prova foi ter de fazer um make-up test, que determina se eu devo me transferir de volta para o curso de cálculo “normal” e ainda modifica minha nota na prova inicial. A prova foi hoje e eu só vou ficar sabendo do resultado amanhã. Felizmente, já é esperado dos freshmen fazer bobagens na hora de decidir sobre as classes.

Além desse problema, as outras aulas não param. O volume de trabalho das outras matérias também vai aumentando, especialmente agora em época de provas. Juntando tudo isso, foram as últimas semanas foram realmente bem complicadas.
Apesar disso, é impossível não gostar cada vez mais de tudo aqui no MIT. Outro dia quando resolvi fazer um caminho novo para voltar para casa passei por um laboratório que eu nunca tinha visto, de espectroscopia. Tudo por aqui é assim, a cada lugar que você passa, existem coisas novas e realmente muito interessantes. Mais importante do que isso, a meu ver, são as pessoas que circulam por aqui. É realmente muito bom ficar cercada de pessoas muito inteligentes e poder aprender com elas.

Às vezes eu fico pensando que levaria uma vida inteira para conseguir explorar tudo que existe por aqui.

Mudando de assunto: também é preciso se divertir!! Com certeza diversão é o que não falta aqui por Cambridge e Boston. Nessa segunda feira, fui no show do Kiss (o Alive 35)! Foi realmente muito legal.

Show do Kiss no estádio do Celtics

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.