Erdogan silencia críticas

Lourival Sant’Anna

31 Julho 2016 | 19h19

Acusado de corrupção, o presidente da Turquia usa a tentativa de golpe como pretexto para silenciar os críticos e seguir na sua incursão rumo ao autoritarismo, revestido de “vontade da maioria”. Turquia, Venezuela e Rússia, assim como Alemanha e Itália nos anos 30, mostram que eleições são condição necessária, mas não suficiente, para a democracia.

Clique aqui para ler minha coluna no Estadão

Mais conteúdo sobre:

ErdogangolpeHizmetmilitarpopulismo