Hillary vence segundo debate por margem menor

Hillary vence segundo debate por margem menor

Lourival Sant’Anna

10 de outubro de 2016 | 11h52

Hillary e Trump durante o debate AFP PHOTO / Paul J. Richards

Hillary e Trump durante o debate
AFP PHOTO / Paul J. Richards

Em um segundo debate marcado por ataques pessoais, Hillary Clinton venceu Donald Trump, segundo pesquisas. De acordo com a CNN, 57% dos telespectadores consideraram que Hillary se saiu melhor, contra 34% para Trump. No debate anterior, em que Trump pareceu mais apático, a vitória de Hillary tinha sido por 62% a 27%. Já uma sondagem do instituto YouGov deu 47% em favor de Hillary e 42%, de Trump. Entre os indecisos, 44% disseram que Hillary venceu e 41%, que Trump foi melhor.

O candidato republicano estava mais assertivo na noite deste domingo do que no primeiro debate, realizado no dia 26. Com seu estilo irreverente, ou desrespeitoso, dependendo do ponto de vista, ele interrompeu Hillary muitas vezes para chamá-la de “mentirosa”, e explorou o quanto pôde o tema do uso de um servidor privado de emails, quando era secretária de Estado (2009-2013). Hillary reconheceu que foi um erro e disse que assumia a responsabilidade, como fez no debate anterior. Em um momento em que Hillary observou que felizmente Trump não era uma autoridade da Justiça, ele arrematou, com notável agilidade: “Porque você estaria na cadeia”.

Hillary, mais contida que ele e esperando sua vez de falar, explorou os últimos dois escândalos envolvendo Trump: as gravações nas quais ele se vangloria de seduzir mulheres, e a sonegação de até US$ 916 milhões em impostos federais. Trump disse que não se orgulha do que disse sobre as mulheres, e reafirmou que aquilo era “papo de vestiário”. Ele acusou Bill Clinton, marido de Hillary, de ter sido o presidente que mais assediou mulheres, e disse que havia trazido três “vítimas” dos assédios do ex-presidente, que estariam na plateia. Garantiu que paga muito imposto, e que se aproveita das isenções fiscais tanto quanto os bilionários doadores da campanha de Hillary, citando o megainvestidor Warren Buffet.

As controvérsias morais acabaram tomando o espaço de discussões sobre as plataformas de governo de cada um, o que acaba favorecendo mais Trump do que Hillary, já que ele tem menos intimidade com alguns dos temas. O candidato republicano atacou duramente o Obamacare, que impôs a adesão da população a planos de saúde, dizendo que o prêmio dos seguros subiu. Hillary defendeu o programa, mas disse que ele precisa de ajustes. Trump chamou o desempenho econômico do governo de Barack Obama de “desastroso”, enquanto Hillary defendeu o legado do presidente democrata, lembrando que ele herdou um pesado déficit do republicano George W. Bush.

O debate teve perguntas de cidadãos comuns. O último a perguntar quis saber o que cada candidato apontava de bom no outro. Os dois se saíram bem: Hillary disse que admirava Trump pelos filhos que tinha. Trump disse que admirava Hillary por não desistir nunca. Com isso, a candidata democrata reafirmou a importância que dá à família e Trump justificou indiretamente sua recusa a atender os apelos de congressistas republicanos para que renuncie, em face das gravações em que aparece falando das mulheres que supostamente seduz.