O lucrativo negócio da radicalização nas redes sociais

Lourival Sant’Anna

04 Novembro 2018 | 17h52

Muitos de nós têm uma ideia mais ou menos vaga de como algumas pessoas enriquecem espalhando o ódio pelas redes sociais, de como isso está intoxicando o ambiente político e as relações humanas e incentivando desequilibrados mentais a passar dos sentimentos de frustração, impotência e raiva para o ato de violência. Reportagem publicada no The Daily, podcast do New York Times, faz um mergulho nesse submundo. Há dois anos, durante a onda de atentados do Estado Islâmico, falava-se na radicalização de muçulmanos nas redes sociais. Agora, ela atinge os polos da direita e da esquerda.

Clique aqui para ler minha coluna no Estadão